Porque é que a Turquia se aproxima ao Egipto e à Arábia Saudita?

Uma das principais razões pelas quais a Turquia se aproximou recentemente da Arábia Saudita e do Egipto é a forma como as ambições “neo-otomanas” de Erdogan se viram goradas. Se o plano de Erdogan era esticar a zona de influência turca do Golfo/Médio Oriente para África, as suas acções agressivas e antagónicas deixaram-no em grande parte isolado na região. Com a sua economia quase exausta e as suas opções de política externa, particularmente a opção favorita de Erdogan de utilizar cada vez mais as forças armadas turcas para prosseguir objectivos de política externa em territórios estrangeiros, atingindo os seus limites, o regime de Erdogan foi forçado a dar um passo atrás e a reorientar a sua trajectória. Ao mesmo tempo, o próprio Médio Oriente está a sofrer uma mudança significativa. Para além da aliança entre os EAU e Israel, a Arábia Saudita e o Qatar aproximaram-se, e há uma visível mudança de tom na Arábia Saudita também em relação ao Irão. A necessidade de reorientar as relações com os antigos rivais no Médio Oriente foi devidamente reforçada pela forma como a administração Biden se recusou simplesmente a tratar a Turquia como um parceiro indispensável. A Turquia, para a NATO, é muito dispensável, uma realidade que se impôs a Erdogan de uma forma muito desconfortável.

Isto é evidente pelo facto de todos os esforços de aproximação terem tido origem em Ancara e não em Riade ou no Cairo. O que também revela a fraca posição turca é a forma como a Turquia tem falhado até agora em alcançar um avanço com a Arábia Saudita, embora esta última tenha concordado em continuar as conversações com Ancara num futuro próximo. O fracasso é evidente a partir de uma afirmação saudita de implementar a sua decisão de encerrar as escolas turcas que operam em várias cidades sauditas. Isto apesar dos esforços turcos para convencer as autoridades sauditas a inverterem a sua decisão. A decisão de encerrar escolas não só reflecte o abismo que hoje existe entre os dois países, mas também faz parte da campanha saudita de boicote aos produtos turcos. Isto já levou a uma humilhante diminuição das exportações turcas para a Arábia Saudita. Enquanto que o ano 2020 registou uma diminuição global de 24% de 3,1 mil milhões de dólares para 2,3 mil milhões de dólares, em janeiro de 2021 as exportações turcas caíram 92% de 290 milhões de dólares para apenas 21 milhões de dólares. Por conseguinte, com a Turquia no final das suas actividades agressivas em relação ao Reino, é bastante provável que este último molde as conversações bilaterais de modo a poder utilizar a fraca posição turca em seu proveito; daí as fracas perspectivas de um verdadeiro avanço entre dois antigos rivais.

No que diz respeito às aberturas da Turquia ao Egipto, o facto de Ancara ter passado de chamar “tirano” ao egípcio al-Sisi para prosseguir uma “agenda positiva” revela os movimentos da Turquia para restabelecer completamente os seus laços com o Cairo, embora este último, um aliado próximo da Arábia Saudita, tenha mostrado até agora apenas uma resposta tépida. Passando da promessa a “nunca falar” com al-Sisi, o regime Erdogan apelou à “abertura de um novo capítulo” nos seus laços bilaterais. Já levou Ancara a tomar uma série de medidas de alto nível para satisfazer as principais exigências egípcias no que diz respeito à limitação das actividades da Irmandade Muçulmana Egípcia e de figuras da oposição islâmica que tinham assumido residência na Turquia após o golpe de Estado de 2013. Isto vem juntar-se à forma como a Turquia pediu a três canais da oposição egípcia sediados em Istambul que atenuassem as suas críticas ao regime egípcio. Existe como tal uma aceitação crescente de al-Sisi na Turquia. Esta aceitação, contudo, não é resultado da súbita mudança de opinião de Erdogan, mas tem as suas raízes numa geopolítica regional mais ampla.

Em grande medida, a retomada dos contactos diplomáticos da Turquia com o Egipto, após um intervalo de quase 8 anos desde o golpe militar que derrubou o governo eleito de Morsi no Cairo em 2013, reflecte uma proposta turca em curso para cortejar o Egipto num acordo com Ancara no que respeita ao controlo e partilha de recursos no Mediterrâneo Oriental, uma região que a Turquia, uma vez através dela, poderia manter arbitrariamente sob o seu controlo. Embora um acordo com a Turquia pudesse permitir ao Cairo somar até 21.500 quilómetros quadrados à sua ZEE, fazendo avançar as ambições do Egipto de se tornar um centro regional a partir do qual exportar o seu gás para os mercados globais, permanece que tanto Ancara como o Cairo estão ainda bastante longe de alcançar um acordo de demarcação marítima que traria um novo equilíbrio de poder no Mediterrâneo Oriental. Não só porque ambos os países continuam a desconfiar um do outro e existe uma desconfiança de longa data entre Erdogan e al-Sisi, mas também porque nenhum dos dois líderes quereria ser visto como sendo o primeiro a recuar. Além disso, o Egipto também não quererá pôr em risco a importante ajuda económica que recebe dos seus parceiros do Golfo, incluindo a Arábia Saudita, que se opõem fortemente à Turquia e estão eles próprios longe de uma normalização total.

Para o regime de Erdogan, a mudança do rumo da sua política é extremamente crucial. Embora a Arábia Saudita e o Cairo possam ter as suas próprias razões para encorajar a aproximação a partir de uma posição de força apenas, continua a ser que o regime de Erdogan é fortemente pressionado pela rápida mudança das realidades económicas e políticas internas que exigem uma mudança significativa na frente externa, uma mudança que ajudaria o regime a gerir mais de perto os seus desafios internos.

Um dos maiores desafios para o Erdogan é a sua rápida erosão de popularidade. Nas últimas eleições gerais de 2018, o AKP obteve 42,56% dos votos, enquanto o MHP, o seu parceiro de coligação, obteve 11,1%. Em fevereiro deste ano, como indicam as sondagens, estas acções tinham caído para cerca de 29% para o AKP e 7% para o MHP. Segundo as actuais regras eleitorais da Turquia, os partidos com menos de 10% são eliminados, criando a perspectiva de uma grande derrota eleitoral para a Aliança Popular de Erdogan (AKP+MHP) nas próximas eleições, uma possibilidade que Erdogan está a tentar deter não só através do seu “novo” pacote de reformas económicas, mas também através de uma recalibração profunda dos laços de Ancara com dois dos seus rivais mais importantes no Médio Oriente e no Norte de África.

Embora um grande avanço ainda não esteja à vista, permanece que um descongelamento com o Egipto e a Arábia Saudita poderia ainda dar a Erdogan margem de manobra suficiente para consolidar a sua fortuna política em rápido declínio. Este degelo vai ter sérias implicações na forma como Ancara e o Cairo têm vindo a resistir um ao outro na Líbia. Um degelo permitiria a Ancara mudar o seu foco das lutas externas para o desafio de vencer as próximas eleições.

Fonte: New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube