Quem reclamou a conta (Bill)? Melinda Gates pediu o divórcio depois dos relatos de Epstein

Bill Gates com os seus negócios e impérios filantrópicos por todo o globo teria sido um alvo principal para a extorsão


Como o nerd tecnológico bilionário, Bill Gates apaixonou-se pela sua então jovem namorada Melinda depois de ela ter ganho um jogo de Cluedo, o puzzle crime-mistério que se baseia em poderes de dedução com o slogan “Who Dunnit?”. Parece que Melinda, agora com 56 anos, foi capaz de invocar esses mesmos poderes de dedução ao decidir afastar-se do seu marido de 65 anos e gurú de negócios mundialmente famoso.

O seu casamento de 27 anos está agora a caminho do divórcio, que o casal filantrópico anunciou na semana passada nas manchetes mundiais, mas sem explicar a razão da sua confusão. Acontece agora que Melinda contratou advogados de divórcio há quase dois anos, depois de relatórios dos meios de comunicação social terem revelado extensos negócios entre Bill e o notório agressor sexual Jeffrey Epstein.

Epstein morreu sob custódia em Nova Iorque, enquanto aguardava um julgamento de acusação federal por tráfico sexual de raparigas menores. A sua morte em agosto de 2019 foi registada como suicídio, embora os advogados de Epstein tenham contestado esse veredicto e tenha havido muita especulação de que ele possa ter sido assassinado. Se Epstein, que teve uma condenação anterior por delito sexual, fosse a julgamento, acredita-se que a sua associação com muitas figuras de destaque poderia ter produzido revelações chocantes. Essas figuras incluem os ex-presidentes dos EUA Bill Clinton e Donald Trump, o príncipe britânico Andrew… e o fundador da Microsoft, Bill Gates.

Tal como muitos outros que tinham sido associados a Epstein, Gates fez declarações públicas para se distanciar. Afirmou que só conheceu brevemente o bilionário financeiro e que não tinha qualquer amizade ou negócios com ele. Gates negou que alguma vez tivesse ficado nas residências de Epstein. Contudo, relatos dos meios de comunicação social contradisseram posteriormente essas negações, com informações mostrando que em 2013 ele tinha passado a noite na mansão de Epstein em Nova Iorque e noutra ocasião tinha voado no jacto privado de Epstein – o Lolita Express – para a sua estância de luxo em Palm Beach, Florida.

Apesar das suas negações, foi noticiado que Gates tinha tido relações extensas e repetidas com Epstein. Foi então que Melinda começou a consultar advogados sobre o divórcio.

Bill e Melinda Gates são famosos pela sua fundação homónima no valor de cerca de 50 mil milhões de dólares que financia projectos de saúde e educação em mais de 100 países. A sua fundação enfatiza o bem-estar das jovens raparigas em particular. Talvez Melinda tenha encontrado a associação entre o seu marido e um tarado sexual que se aproveitava demasiado de menores para suportar os danos que infligia à sua suposta imagem filantrópica.

Bill, que tem uma fortuna pessoal de mais de 146 mil milhões de dólares provenientes da sua fundação dos computadores Microsoft em 1975, manteve que o seu encontro com Epstein foi um “erro” e um erro de julgamento. Afirmou que os seus negócios eram motivados pela expansão da angariação de fundos filantrópicos através dos extensos contactos de Epstein com pessoas ricas e famosas. Mas dado que Gates é classificado como a quarta pessoa mais rica do planeta, levanta dúvidas sobre a sua suposta necessidade de encontrar mais doadores. A noção de Gates a pedir com uma bandeja não soa plausível.

Contrariando a noção de que o seu foi apenas um breve encontro, é relatado que Melinda estava “furiosa” com as reuniões de Bill com Epstein já em 2013, e talvez já em 2011. Diz-se que ela advertiu contra tal contacto. Epstein já tinha sido condenado em 2008 por ter adquirido prostitutas menores de idade. A sua imagem deveria ter sido tóxica. Então porque é que pessoas como Bill Gates gravitaram para Epstein? Não apenas em uma ou duas ocasiões aleatórias, mas ao longo de vários anos envolvendo passar a noite em residências secretas.

Quando os relatos surgiram, na sequência do “suicídio” de Epstein, da relação mais extensa de Gates que parece ter sido o ponto de viragem para Melinda chamar os advogados de divórcio. A esposa vencedora do Cluedo deduziu que havia mais do que angariação de fundos em curso.

Com centenas de milhares de milhões de dólares em jogo, levou sem dúvida todo este tempo para que as equipas jurídicas chegassem a um acordo, culminando na declaração anódina dos meios de comunicação social na semana passada, afirmando: “Já não acreditamos que podemos crescer juntos como um casal”.

As mansões e estâncias na ilha de Epstein eram conhecidas por orgias que envolviam raparigas adolescentes. Quando o seu jacto privado aterrava no seu retiro das Ilhas Virgens, os habitantes locais notaram a comitiva núbil que acompanhava os homens mais velhos, e por isso apelidaram o avião de “Lolita Express”.

Epstein até se gabou publicamente de ter informações de chantagem sobre muitas pessoas importantes. Sabe-se que as suas residências estavam saturadas com câmaras de vigilância e audio com o objectivo de gravar os seus convidados participando em encontros comprometedores. Obviamente, o pervertido insaciável foi motivado pela obtenção de protecção para não ter uma “apólice de seguro”. A sua ex-namorada Ghislaine Maxwell, que se encontra detida nos EUA enquanto aguarda julgamento por tráfico sexual, terá ajudado a este respeito. Ela foi a agente socialite entre Epstein e o príncipe Andrew, que está sob investigação criminal por parte dos procuradores dos EUA por alegações de abuso sexual.

Mas mais do que “motivos de seguro”, Epstein tinha uma longa relação com a inteligência e segurança militar israelita. Estava intimamente associado a Ehud Barak, antigo primeiro-ministro de Israel e chefe de gabinete das Forças de Defesa Israelitas.

Parece haver poucas dúvidas de que o papel de Epstein era acumular material de chantagem sobre figuras públicas chave para o benefício estratégico do governo israelita. Políticos, meios de comunicação e líderes empresariais que entrassem na órbita sórdida de Epstein proporcionariam aos israelitas uma alavanca crucial sobre as políticas e a riqueza. Bill Gates, com os seus negócios e impérios filantrópicos espalhados pelo globo, teria sido um alvo primordial para a extorsão.

Fonte: Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube