A Turquia normaliza os seus laços com o Egipto

Por Valery Kulikov

A Turquia, empenhada em criar um novo equilíbrio de poder no Mediterrâneo, continuou no último mês os seus esforços para normalizar as relações com o Egipto, que se deterioraram acentuadamente desde a queda do presidente Mohamed Morsi no Verão de 2013, na sequência do qual as partes chamaram de volta os seus embaixadores.

Evidentemente, o restabelecimento das relações bilaterais não será fácil, devido às diferenças que subsistem entre os países. Não se deve esquecer que cada um destes países quer ganhar o controlo do mundo árabe, com a Turquia a tentar promover o conceito de “Islão político”, que o Egipto e outros estados árabes autoritários vêem como uma ameaça existencial directa aos seus regimes. Além disso, tanto o Cairo como Ancara estão a disputar uma área significativa de água no Mediterrâneo Oriental, sob a qual existem provavelmente grandes depósitos de gás.

Em março deste ano, o ministro dos Negócios Estrangeiros turco Mevlut Cavusoglu anunciou o reatamento dos contactos entre Ancara e o Cairo a nível diplomático, admitindo que o seu pleno estabelecimento levará tempo. Como parte das suas tentativas de normalização das relações com o Cairo, a Turquia decidiu, a 30 de abril, levantar o seu veto à parceria do Egipto com a NATO em 2020. O Ministério dos Negócios Estrangeiros turco observou que, desta forma, Ancara preparou o caminho para o Egipto desenvolver uma parceria com a NATO no quadro do Diálogo Mediterrânico.

Os passos para normalizar as relações entre os dois países intensificaram-se especialmente após a apresentação de um concurso para a obtenção de uma licença pelo Egipto na área nº18 na plataforma continental da Turquia. A operação foi aprovada pelas Nações Unidas. Comentando a questão, o ministro turco dos Negócios Estrangeiros Mevlut Cavusoglu anunciou que estava a ser desenvolvido um acordo sobre a demarcação de fronteiras no Mar Mediterrâneo com o Egipto e que a Turquia estava pronta a assiná-lo no caso de um desenvolvimento mais favorável das relações bilaterais.

Apesar do facto do Cairo já ter concluído acordos semelhantes com a rival regional turca Atenas, a disponibilidade de Ancara para um novo acordo de demarcação irá certamente reformular ainda mais os blocos políticos e económicos da região. Quanto ao próprio Cairo, o Ministério dos Negócios Estrangeiros egípcio e os funcionários dos serviços secretos preferem claramente um acordo marítimo com a Turquia à Grécia, uma vez que este dá ao Cairo muito mais território marítimo. Em tempos, a administração do presidente Al-Sisi negociou o acordo com Atenas principalmente para assegurar alguns ganhos políticos, sem fechar a porta à Turquia, especialmente após a melhoria dos acordos emirato-israelitas que prejudicam os interesses políticos, económicos e estratégicos do Egipto.

Por conseguinte, não é surpreendente que a posição declarada de Ancara sobre o estabelecimento de um acordo sobre a demarcação de fronteiras no Mar Mediterrâneo com o Egipto e a admissão do ministro dos Negócios Estrangeiros turco de que é necessário alterar as diferentes opiniões anteriores de Ancara e do Cairo sobre uma série de conflitos e fenómenos na região do Médio Oriente e do Norte de África tenham tido um efeito correspondente. Em particular, vários analistas manifestaram confiança em que a liderança turca está assim a tentar trazer discórdia entre o Egipto e o bloco condicionalmente anti-turco de países unidos em torno do projecto do Gasoduto do Mediterrâneo Oriental (EastMed), representado pela Grécia, Chipre, Emiratos Árabes Unidos e Israel. Para a Grécia, por exemplo, é muito importante como um possível acordo sobre uma zona económica exclusiva entre o Egipto e a Turquia irá afectar o complexo de Kastelorizo e o diálogo turco-grego.

Dada esta situação, a parte grega já começou a mostrar o seu receio de que o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi actue em consonância com o seu homólogo turco Recep Tayyip Erdogan e se retire da linha demonstrativa anti-turca que tem tentado perseguir até agora. Atenas recorda como no outono de 2020, falando num evento da Liga Árabe, o ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio Sameh Shoukry salientou a necessidade de uma “política árabe unida e firme” contra as acções empreendidas pela Turquia na Líbia, Síria e Iraque.

Para discutir com os dirigentes egípcios o restabelecimento de relações plenas e as medidas necessárias para restabelecer as relações entre o Egipto e a Turquia, foram realizadas consultas políticas entre os dois países, presididas pelo vice-ministro turco dos Negócios Estrangeiros Sedat Onal e pelo vice-ministro egípcio dos Negócios Estrangeiros Hamdi Sanad Loza, no Cairo, a 5-6 de maio de 2021. Durante estas reuniões, de acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros turco, discutiram “todas as questões que preocupam o Cairo” e confirmaram a necessidade de restabelecer ainda mais as relações bilaterais de pleno direito. Politicamente, a Turquia está interessada em assegurar que o Egipto não seja mantido refém por outros estados, principalmente os EAU e a Grécia, que querem usá-lo como escudo na defesa dos seus interesses contra a Turquia. Neste sentido, Ancara ajuda-se a si própria abrindo-se ao Egipto, e o mesmo se pode dizer do Cairo.

Portanto, a Turquia, com base em interesses comuns no Mediterrâneo Oriental e na Líbia, demonstra a sua vontade de se aproximar do Egipto no facto de a cooperação com a Turquia ser do interesse do Cairo. Como argumento adicional, em particular, nota-se que no período pré-coronavírus, apesar das relações conflituosas, Ancara foi economicamente muito benéfica para o Cairo, aumentando o comércio bilateral, o investimento e as importações de gás. Nessa altura, as suas relações económicas revelaram-se imunes às flutuações políticas, ultrapassando o limiar de 5 mil milhões de dólares em 2018. Além disso, a estabilidade na Líbia poderia também elevar esta cooperação a um nível sem precedentes, se a Turquia e o Egipto trabalhassem em conjunto para reconstruir o país.

No meio desta actividade, não vale certamente a pena discutir hoje a transformação do Egipto e da Turquia de inimigos em parceiros. Mais provavelmente, tornar-se-ão rivais, e esta rivalidade terá lugar de uma forma mais ou menos civilizada, com linhas vermelhas claras que não permitirão a escalada das relações em hostilidades indirectas (por exemplo, na Líbia). Evidentemente, a transformação das relações bilaterais não acontecerá imediatamente, e tanto o Cairo como Ancara compreendem isto. “Para tal, precisamos de realizar reuniões consistentes, definir um roteiro e agir nessa base”, disse Mevlut Cavusoglu no outro dia.

Mas o que importa é que o processo já começou.

Fonte: New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube