O Egipto e a Turquia têm como objectivo equilibrar as coisas no Mediterrâneo

Por Valery Kulikov

A mudança da elite dominante na Casa Branca levou muitos países do Oriente, incluindo o Egipto e a Turquia, a reverem as suas políticas externas para melhor se adaptarem a esta nova realidade.

Após sete anos de tensões, Ancara e o Egipto estão agora a enviar sinais de que estão dispostos a procurar uma aproximação. Este é em grande parte o resultado de um consenso crescente que foi alcançado nesses países nos últimos meses em que os Estados Unidos se tornaram tanto um aliado para a Turquia e o Egipto como um inimigo perigoso.

A Turquia não esconde a sua preocupação com a possibilidade de Washington prestar apoio tácito às forças que se opõem ao poder centralizado de Recep Tayyip Erdogan. Ao mesmo tempo, ambos os países estão bem cientes das simpatias que os membros do Partido Democrático partilham com os chamados “Irmãos Muçulmanos”, que se tornaram o pomo da discórdia entre o Cairo e Ancara há sete anos, devido ao apoio activo da Turquia ao antigo presidente egípcio Mohamed Morsi. Morsi chegou ao poder em 2012 devido ao apoio que os “Irmãos Muçulmanos” lhe deram e foi expulso um ano depois, após protestos em massa e um golpe militar que resultou em Abdel Fattah al-Sisi tornar-se presidente do Egipto em 2014. Ancara ainda acredita que o golpe militar de 2013 foi um empreendimento ilegal, enquanto o próprio Erdogan considera a morte prematura de Morsi como um crime, pelo qual o Cairo, na sua opinião, deveria ser responsabilizado.

No entanto, os resultados da recente cimeira do Conselho de Cooperação do Golfo, onde os supostos aliados do Egipto – a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos – anunciaram que poriam fim ao seu boicote ao Qatar, empurraram o Cairo para um canto. O Qatar é hoje em dia um aliado da Turquia, e quando Abu Dhabi e Riade anunciaram a sua decisão sem ter em consideração os interesses do Cairo e sem coordenarem as suas acções com ele, forçaram o Egipto a repensar a sua abordagem em relação à Turquia. De facto, esta medida abalou automaticamente o bloco árabe anti-turco do qual o Egipto fazia parte. Agora, após a cimeira, o Egipto, que não tinha qualquer intenção de resolver as suas disputas com Ancara, viu-se isolado, tanto em termos políticos como económicos. Riade costumava pagar uma parte de leão dos custos associados às tentativas de dissuadir a Turquia, mas perdeu todo o apetite para continuar a suportar este fardo devido tanto às dificuldades financeiras que enfrentava, à guerra em curso no Iémen como à posição que Joe Biden tomou.

A reconciliação da Turquia com os Estados do Golfo permite-lhe fortalecer as suas relações com o Qatar, Kuwait e Omã, ao mesmo tempo que desanima as tensões com Riade. Estas tensões atingiram um recorde após o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi em Istambul. A Turquia também está satisfeita por os EAU também terem expressado o seu desejo de normalizar também as suas relações com Ancara.

Um importante motor de aproximação entre o Egipto e a Turquia são os desenvolvimentos da situação na Líbia e arredores, uma vez que Ancara conseguiu recentemente eliminar a ameaça a Trípoli que foi colocada pela coligação Egípcio-Emirati. Isto fez com que o Egipto se apercebesse da futilidade de novas medidas militares e abandonasse o seu apoio ao chefe do LNA, Khalifa Haftar. Além disso, o confronto no Mediterrâneo Oriental está a chegar ao fim, com a França a desempenhar um papel neste processo, e este confronto impediu uma maior exploração geológica da região, com o Egipto e a Turquia a estarem igualmente interessados em tal esforço.

Nestas condições, todos reconhecem que é mais fácil fazer algum tipo de acordo do que declarar uma guerra sem tréguas.

Erdogan está certamente interessado em colocar o Egipto do seu lado na disputa em curso com a Grécia sobre a demarcação das fronteiras marítimas no Mediterrâneo Oriental, incluindo a sua busca de obter direitos soberanos sobre as valiosas reservas de gás. Apesar do Egipto ter assinado um tratado com Atenas por razões puramente políticas, o Cairo ainda deixou uma porta das traseiras aberta para avenidas de cooperação com Ancara na região, tendo em conta as ressalvas da Turquia em relação às fronteiras marítimas. Ao mesmo tempo, as partes estão bem cientes de que os acordos entre o Egipto, a Grécia e Chipre contradizem parcialmente acordos semelhantes que a Turquia assinou com a Líbia, o que não deixa muito espaço para um potencial acordo entre o Egipto e a Turquia.

Apesar do facto de os dois países enviarem um ao outro sinais diplomáticos positivos, a Turquia e o Egipto têm um longo caminho a percorrer antes de corrigirem totalmente os seus laços, especialmente numa situação em que certos actores regionais prefeririam fazer descarrilar esta aproximação. Existem outros obstáculos, incluindo o conflito em curso na Líbia, onde os militantes ligados à “Irmandade Muçulmana” ainda estão activos, enquanto o Egipto os considera como terroristas. No entanto, os egípcios estão claramente dispostos a olhar para o lado desta vez, uma vez que os “Irmandade Muçulmana” não têm o mesmo alcance que há uma década atrás, e o apoio contínuo da Turquia não a colocaria em posição de se tornar uma ameaça para as autoridades do Cairo. Como regra geral, de nada serve fazer das suas políticas reféns dos velhos rancores.

Nas últimas semanas, os diplomatas e negociadores têm estado particularmente activos, e não apenas os turcos e egípcios. O novo primeiro-ministro da Líbia, Abdul Hamid Dbeibeh, que é considerado um protegido de Erdogan, visitou o Cairo no passado mês de fevereiro para discutir questões de interesse com os egípcios. E em meados de março, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Turquia, Mevlut Cavusoglu, anunciou uma ronda de conversações diplomáticas egípcio-turcas e consultas dos serviços secretos.

O chefe do gabinete político do Hamas, Ismail Haniyeh visitou recentemente o gabinete editorial da Agência Anadolu em Istambul, para saudar publicamente a aproximação turco-egípcia e expressar a sua confiança de que qualquer cooperação entre Ancara e o Cairo será do interesse do povo palestiniano e da sua causa nacional.

A Turquia e o Egipto são, evidentemente, dois grandes actores do Médio Oriente e do mundo islâmico. Existem ainda diferenças por resolver entre os dois, mas as partes deixaram de recorrer a duras declarações e procuram agora vias de cooperação. Actualmente, esses sinais que enviam um ao outro permitem-nos ser cautelosamente optimistas, ainda que seja evidente que não há forma de resolver todos os problemas instantaneamente, e que o processo de resolução das coisas levará tempo. Não estamos a falar de o Egipto e a Turquia se tornarem parceiros da noite para o dia, eles continuarão a ser rivais, mas a sua rivalidade desvanecer-se-á de uma forma mais ou menos civilizada, com linhas vermelhas visíveis postas em prática que evitarão que os seus laços bilaterais se degenerem.

Erdogan compreende que quanto mais forte for Ancara em termos geopolíticos e económicos, mais difícil será para Joseph Biden minar os interesses turcos. A aproximação entre a Turquia e o Egipto é acompanhada de perto pela Grécia, uma vez que a retirada do Cairo do eixo anti-turco priva Atenas do seu aliado mais importante na batalha pelas águas do Mediterrâneo Oriental, e pode forçá-la a procurar um compromisso com a Turquia.

Por conseguinte, a aproximação entre a Turquia e o Egipto pode ter consequências graves para toda a região, onde os renovados laços políticos, diplomáticos e económicos turco-egípcios podem criar um novo equilíbrio de poder no Mediterrâneo.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube