Como os Estados do Médio Oriente estão a levar as suas rivalidades para África

Por Salman Rafi Sheikh

A crescente competição entre as potências do Médio Oriente – Arábia Saudita, Turquia, Qatar e Emirados Árabes Unidos (EAU) – forçou quase todas elas a estabelecer a sua influência para além da região do Golfo e a procurar aliados noutros locais. Para quase todos estes estados, África é o melhor destino, não só porque o continente está bem posicionado para se desenvolver rapidamente economicamente, mas também porque os Estados rivais na região do Golfo vêem o corredor do Mar Vermelho como uma nova arena de competição geopolítica, com todos eles a olhar para a bacia do Corno de África como um território estratégico que pode produzir potenciais vantagens geoeconómicas e geopolíticas a longo prazo para fazer avançar o seu estatuto de grandes potências. A natureza do seu envolvimento está longe de desempenhar meros papéis mediadores em conflitos inter e intra-estatais, como o que os EAU desempenharam no acordo de paz Etiópia-Eritreia de 2018, ou o que a Turquia tem vindo a desempenhar nas conversações Somália-Somalilândia. Embora tal presença como mediadores permita aos Estados do Médio Oriente posicionarem-se como interlocutores cruciais, a natureza do envolvimento destes Estados com os Estados africanos já se expandiu o suficiente para se tornar numa intensa luta pelo poder conduzida geopoliticamente. O lado negativo deste crescente envolvimento dos Estados do Médio Oriente com a África é que o primeiro vem com uma pesada bagagem de rivalidades políticas e ideológicas e que estas rivalidades poderiam enxertar-se nos conflitos intern e intra-estatais existentes em África.

A concorrência entre os Estados do Médio Oriente já está a forçar alguns dos Estados em África a seguir políticas muitas vezes mutuamente conflituosas. Assim, enquanto a Arábia Saudita e os EAU vêem os movimentos civis como algo a ser energicamente controlado para impedir que a região se torne um terreno fértil para o crescimento das ideologias xiitas ou dos Irmãos Muçulmanos rivais, a Turquia e o Qatar vêem nestes movimentos um potencial para ascender ao poder e proteger os seus interesses. A rivalidade ideológica está a tornar os Estados do Corno de África não só para acomodar interesses conflituosos, mas também para escolher lados entre os interesses mutuamente concorrentes.

Por exemplo, em 2015, em troca de novas ajudas, laços mais estreitos e ajuda ao levantamento das sanções internacionais, a Arábia Saudita convenceu tanto o Sudão como a Eritreia a expulsar a presença do Irão. Além disso, o Sudão também concordou em enviar forças para ajudar o esforço de guerra da coligação no Iémen, enquanto a Eritreia alugou uma base militar perto do porto de Assab aos EAU.

Além disso, no conflito na Somália e Somalilândia, os EAU, o Qatar e a Turquia têm vindo a apoiar os dois lados opostos como forma de os fazer gravitar na sua órbita para uma melhor protecção dos seus interesses. Desta forma, enquanto os EAU têm vindo a tomar medidas para cimentar ainda mais a posição soberana auto-declarada da Somalilândia, a Turquia apoiou a Somália e vê os passos dos EAU como desestabilizadores.

Quando os EAU nomearam recentemente Muhammad al-Naqbi como director do escritório comercial dos EAU na Somalilândia, Mogadíscio viu isto como um movimento para minar a soberania da Somalilândia. Embora os EAU possam não procurar reconhecer a Somalilândia como um “Estado separado”, não há qualquer dúvida de que os EAU procuram usar a Somalilândia como táctica para pressionar o governo central da Somália a reverter os seus laços tanto com a Turquia como com o Qatar.

Consequentemente, o apoio e o investimento dos EAU em Berbera, a capital da Somalilândia, visa reforçar a sua posição face ao projecto do porto marítimo de Hobyo, no Qatar, que tem vindo a construir desde 2019, com vista a estabelecer uma base forte no Mar Vermelho, perto do Golfo de Aden. Assim, enquanto que os EAU estenderam um reconhecimento tácito a Berbera, o Qatar tem vindo a construir uma nova embaixada em Mogadíscio, a capital da Somália, como meio de assinalar o seu apoio à Somália continental após anos de conflito violento. Está previsto que a do Qatar venha a ter a segunda maior embaixada na Somália; a maior é a embaixada turca, o que é uma indicação de uma forte presença turca no mesmo país, onde dois rivais ideológicos já competem.

Enquanto o Qatar está a desenvolver o porto marítimo de Hobyo, e os EAU assinaram um contrato de 30 anos com a Somalilândia para gerir e expandir o posto em Berbera, as empresas turcas assinaram recentemente um contrato de 14 anos para gerir e reabilitar o porto de Mogadíscio.

Portanto, com os EAU a aprofundarem gradualmente os seus laços com o Estado soberano auto-declarado da Somalilândia, a sua rivalidade com o Qatar e a Turquia acentuar-se-á consideravelmente, o que deixará um impacto significativo na própria Somália.

Por razões não difíceis de compreender, o facto de os países do Corno de África estarem cada vez mais presos nas rivalidades do Médio Oriente mostra como a relação entre o Corno de África e o Médio Oriente é profundamente assimétrica.

A rivalidade entre os Emirados Árabes Unidos e o bloco Turquia/Qatar está também alicerçada nas diferentes expressões do Islão que eles praticam e pregam. Consequentemente, afirma que praticam o Islão wahhabita como os EAU e a Arábia Saudita têm vindo a construir mesquitas e mosteiros no Corno de África para difundir a sua mensagem. O mesmo se aplica à Turquia, que gastou milhões para converter os países africanos à expressão do Islão que segue.

O facto de tanto o Qatar como a Turquia terem um cantinho suave para os Irmãos Muçulmanos e de terem cooperado um com o outro quando a Arábia Saudita e outros países impuseram um bloqueio ao Qatar em 2015, fez com que o Qatar cooperasse cada vez mais com a Turquia também no Corno de África. Os funcionários do Qatar dizem esperar que as suas empresas locais possam imitar os empreiteiros turcos e concorrer a mais projectos comerciais, particularmente para a construção de estradas e outras infraestruturas.

Como tal, com os EAU e a Arábia Saudita alinhados de um lado e com o Qatar e a Turquia alinhados do outro, há poucos indícios de que a busca de poder e influência dos Estados do Médio Oriente em África, especialmente ao longo do Mar Vermelho, esteja repleta de perigos de exportar as suas rivalidades para África.

Para muitos Estados africanos, portanto, o desafio não é apenas manter um equilíbrio entre estes interesses mutuamente concorrentes, mas também evitar ficar presos em rivalidades que trouxeram tanta miséria e conflitos armados a muitos Estados do Médio Oriente.

Tal como está, mesmo que estes Estados não provoquem violência, as rivalidades do Golfo arriscam-se a enfraquecer os governos do Corno de África e a minar a sua capacidade de gerir o conflito se e quando este surgir. Em vez de ajudarem a mediar conflitos, os rivais do Médio Oriente acabariam muito provavelmente por apoiar facções rivais para assegurar a sua ascensão política, algo que têm vindo a fazer no Iémen, Líbia, Síria e mesmo no Iraque nos últimos anos.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram e VK