A nova Guerra Fria com a Rússia via Ucrânia

As posições sem princípios de Biden envolvendo operações encobertas, chantagem, corrupção, nepotismo e terrorismo de Estado. Os factos há muito ocultos envolvendo Biden e a Ucrânia são claros, documentados e indiscutíveis, mesmo que nunca os leia no The New York Times


Por Jeremy Kuzmarov

Mesmo um relógio avariado está certo duas vezes por dia. E mesmo um mentiroso como Donald Trump pode por vezes dizer a verdade. Durante a campanha eleitoral de 2020, Trump acusou Biden de corrupção em relação a acordos secretos envolvendo a Ucrânia e a China, em que o vice-presidente venerava o poder do seu cargo e o título para enriquecer a si próprio e ao seu filho em clara violação da lei.

Naquela acusação, Trump tinha toda a razão. Mas ele nem sequer sabia de metade da história. O histórico de fraude e corrupção de Joe Biden não começou com a campanha eleitoral de 2020, nem se limita às suas relações com a Ucrânia e a China, embora estes sejam um bom local para começar a desvendar o mito de Joe Biden como santo secular, cuja honestidade incorruptível e nobreza de carácter foram tão vigorosamente propagadas pelos meios de comunicação social corporativos e interiorizadas mesmo por grandes segmentos da esquerda.

Por exemplo, vejamos o “Ukrainegate” e a parte de Joe Biden nele.


No Domingo de Páscoa de 2014, Joe Biden embarcou no Air Force Two com destino a Kiev. Dois meses antes, a Ucrânia tinha sido assediada por protestos centrados na Praça Maidan que resultaram na queda do presidente pró-russo Viktor Yanukovych num golpe de Estado. Biden tinha conhecido bem Yanukovych, falando com ele ao telefone nove vezes durante a crise. O objectivo oficial da viagem de Biden, segundo o jornalista Evan Osnos, era tranquilizar o frágil novo governo ucraniano e “dissuadir Vladimir Putin de ir mais fundo em território ucraniano”.

Uma vez em Kiev, Biden encontrou-se com Vitali Klitschko, um antigo campeão de boxe de dois metros”, conhecido como Dr. Punho de Ferro, antes de entrar na política, que foi apoiado pelo Departamento de Estado e Petro Poroshenko, o futuro presidente que tinha feito fortuna no negócio das guloseimas.

Biden prometeu na reunião um pequeno pacote – 58 milhões de dólares em ajuda eleitoral, conhecimentos energéticos e equipamento de segurança não letal, incluindo rádios para a patrulha fronteiriça. Mais importante ainda, Biden quis transmitir uma mensagem aos novos líderes em Kiev – nomeadamente que a recuperação da legitimidade exigiria mudanças para além da simples resistência à interferência russa. Dirigindo-se ao parlamento, Biden disse que “é preciso combater o cancro da corrupção que é endémico no seu sistema neste momento”. [1]

Um anel oco?

As palavras de Biden vieram a soar ocas ao longo do tempo – literalmente aos olhos de muitos ucranianos.

Um mês após o discurso de Biden, o seu filho mais novo, Hunter, foi nomeado para o Conselho de Administração e chefe dos assuntos jurídicos da Burisma, uma empresa de petróleo e gás propriedade do antigo ministro da ecologia Mykola Zlochevsky, que estava então sob investigação por branqueamento de capitais e fraude fiscal.

Hunter recebeu 83.000 dólares por mês durante cinco anos (pelo menos 3,6 milhões de dólares no total), embora não tivesse experiência anterior na Ucrânia ou no negócio do petróleo e gás, e nunca tivesse visitado a Ucrânia para negócios da empresa durante o seu tempo no conselho de administração. [2]

Despedido da Marinha por uso de cocaína apenas meses antes da sua nomeação para a Burisma, Hunter não era nenhum desconhecido por usar o nome do pai para conseguir influências.

Ele tinha servido no conselho de administração da Amtrak, tornou-se vice-presidente sénior da MBNA, um banco que foi um dos principais contribuintes para as campanhas do Senado de Joe Biden, e foi nomeado para o conselho de administração do National Democratic Institute, que impulsionou a mudança de regime na Ucrânia antes dos protestos da Praça Maidan.

Em dezembro de 2015, quando o vice-presidente Biden visitou novamente a Ucrânia, fez um ultimato ao agora presidente Poroshenko e ao primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk para que despedissem o procurador-geral Viktor Shokin, que tinha seis processos criminais activos contra a Burisma.

Se não despedissem Shokin – que Biden alegou ser corrupto – Biden disse que os EUA não concederiam à Ucrânia um empréstimo de mil milhões de dólares.

Biden telefonou subsequentemente a Poroshenko oito vezes em quatro dias para reiterar as suas exigências e voltou a telefonar depois para expressar a sua satisfação pela remoção de Shokin em março de 2016.

De acordo com Oleksandr Onyshchenko, um antigo membro do parlamento, Poroshenko pagou subornos no valor de 2 milhões de dólares para conseguir que o parlamento sancionasse a remoção de Shokin – quando inicialmente se mostrou relutante em fazê-lo.

Biden admitiu descaradamente a chantagem perante o Council on Foreign Relations em janeiro de 2018, afirmando que disse a Poroshenko que “o seu avião partiria dentro de seis horas e que não receberia os seus mil milhões de dólares se o procurador não fosse despedido… bem filho da puta, ele [Shokin] foi despedido… e eles puseram no seu lugar alguém sólido“.

Shokin tinha sido um procurador relativamente honesto, enquanto que o seu sucessor, Yuriy Lutsenko, era tudo menos “sólido”.

Por um lado, Lutsenko nem sequer tinha um diploma de Direito, marcando-o como mal qualificado para o cargo de procurador-geral.

Mikheil Saakashvili, antigo presidente da Geórgia e governador da província ucraniana de Odessa em 2019, chamou a Lutsenko uma “criatura imunda” e “bandido típico” que “encerrou casos de corrupção por massa”.

Em 2010, Lutsenko foi condenado e enviado para a prisão por quatro anos por desvio de fundos e abuso de autoridade enquanto servia como ministro do Interior. O abuso incluiu a nomeação do seu motorista pessoal como oficial de inteligência, escutas telefónicas ilegais e utilização de recursos estatais para o seu entretenimento privado e umas férias chiques nas Seychelles com a sua esposa. [3]

Dois meses após a nomeação de Lutsenko, em janeiro de 2017, o processo contra Burisma foi encerrado depois de Zlochevsky ter pago uma multa de 7 milhões de dólares – quando foi acusado de defraudar o governo de 40 milhões de dólares.

Menos de uma semana depois, Biden regressou à Ucrânia para a sua última visita como vice-presidente e elogiou o progresso no país desde o protesto de Maidan, destacando o procurador anti-corrupção para elogios especiais.

Viktor Shokin concedeu uma entrevista à ABC News – que nunca chegou a ser enviada – na qual afirmou que lhe tinham sido dadas pistas para parar a investigação sobre Zlochevsky e a Burisma, o que provou ser a sua ruína.

Shokin observou que tinha planos para interrogar Hunter Biden e Devon Archer, um conselheiro financeiro de John Kerry que mais tarde foi condenado por defraudar a tribo Oglala Sioux, que também foi nomeado para a direcção da Burisma, e disse que, se Biden tivesse provas da sua corrupção que justificassem o seu despedimento, tê-las-ia apresentado – o que não fez. [4]

Joe e Hunter Biden a jogar golfe no Hamptons em 2014 com Devon Archer, que fez parte do conselho executivo da Burisma com Hunter

Em retrospectiva, é evidente que, para evitar a acusação e a perda do seu lucrativo negócio, Zlochevsky tinha pago um suborno a Biden pai. através do seu filho.

Em 2015, George Kent, coordenador anti-corrupção do Departamento de Estado para a Europa e ex-chefe de Missão Adjunto na embaixada dos EUA em Kiev, tinha levantado preocupações sobre a nomeação de Hunter na Burisma, afirmando que era “muito embaraçoso para todos os funcionários dos EUA impulsionarem um programa anti-corrupção na Ucrânia”.

As preocupações de Kent ficaram por resolver.

Biden alegou que “nunca tinha falado com o meu filho sobre os seus negócios no estrangeiro”.

No entanto, um troço de documentos recuperados do computador portátil de Hunter – que Hunter nunca recolheu numa loja de reparações em Delaware – indicou uma reunião entre Joe Biden e Vadym Pozharskiy, conselheiro da administração da Burisma em abril de 2017 em Washington D.C., que Hunter tinha criado.

Num e-mail, Pozharskiy escreveu:


Caro Hunter, obrigado por me convidares para ir a DC e por me dares a oportunidade de conhecer o teu pai e passar algum tempo juntos. É realmente uma honra e um prazer. Como falámos ontem à noite, seria óptimo encontrarmo-nos hoje para um café rápido. O que acha? Eu poderia ir ao seu escritório algures por volta do meio-dia, antes ou a caminho do aeroporto. Cumprimentos, V.


Nenhuma empresa normal

A Burisma Holdings não era uma empresa comum, mas central para as grandes intrigas geopolíticas que se desenrolaram na nova Guerra Fria. [5]

Fundada em 2002 e constituída em Chipre em 2006, a Burisma beneficiou de concessões concedidas a Zlochevsky quando este exerceu o cargo de ministro da Ecologia, cargo que foi responsável pela concessão de licenças para a extracção de petróleo e gás.

Após o golpe de Maidan, a Burisma recebeu financiamento da USAID [Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional] como parte de um projecto de segurança energética e reforma promovido por Joe Biden, cujo principal objectivo era diminuir a dependência energética da Ucrânia em relação à Rússia.

A Burisma, nesta altura, verteu 250.000 dólares para o think-tank pró-NATO, anti-Rússia da Atlantic Council, que adoptou uma proposta para armar os militares ucranianos com armamento ofensivo como os mísseis anti-tanque Javelin, que Biden defendia [5].

O jornalista John Helmer encontrou fortes provas circunstanciais de que o accionista central da Burisma não era Zlochevsky, mas Ihor Kolomoisky, o oligarca mais poderoso da Ucrânia que mantinha um tubarão vivo num enorme tanque no seu escritório para intimidar os visitantes.

De acordo com Helmer, Kolomoisky controlava a Burisma através dos dois directores genuínos da sua administração – Anzelika Pasenidou e Riginos Kharalambus – que trabalhavam para uma firma de advogados com sede em Chipre ligada a Kolomoisky [6].

Os meios de comunicação ucranianos tinham noticiado que o antecessor de Shokin como procurador-geral, Vitaly Yarema, tinha sido deposto a 11 de fevereiro de 2015 porque tinha reaberto a investigação sobre a Burisma visando não Zlochevsky, mas Kolomoisky, que o mandou despedir.

Ao considerar tudo isto, as acções corruptas de Biden relacionadas com a Burisma e o seu filho parecem ter sido concebidas para fazer avançar a guerra por procuração contra os russos na Ucrânia Oriental.

Kolomoisky financiou milícias privadas, tais como o Batalhão Dnipro de 2.000 pessoas e o Batalhão Azov, liderado por neo-nazis, que desempenhou um papel fundamental em deter o avanço dos rebeldes dos seus redutos em Donetsk e Lugansk.

A guerra na Ucrânia Oriental eclodiu depois de estas duas últimas províncias terem votado a sua secessão na sequência do golpe de Maidan, atraindo posteriormente os russos.

Kolomoisky foi nomeado governador da sua região de Dnipropetrovsk, perto da linha da frente da guerra.

O Batalhão Dnipro financiado por Kolomoisky a um custo de 10 milhões de dólares

As suas milícias foram cruciais para a guerra porque os militares ucranianos eram ambivalentes no combate aos seus próprios cidadãos e as milícias podiam ser financiadas em privado.

As milícias estavam implicadas em crimes de guerra, incluindo raptos ilegais, detenção ilegal, roubo, extorsão e até mesmo possíveis execuções.

As suas fileiras incluíam 17.000 mercenários estrangeiros de mais de 50 países, incluindo alguns supremacistas brancos norte-americanos que vieram à Ucrânia para combater os russos.

Em janeiro de 2016, o Pentágono sob a égide do secretário da Defesa Ash Carter pressionou o Congresso a retirar uma emenda patrocinada por John Conyers (democrata do Michigan ) e Ted Yoho (republicano da Flórida) que proibia o financiamento do Batalhão Azov da extrema-direita ucraniana.

Um sinal revelador da fachada da Burisma para uma operação negra da CIA foi a sua nomeação de Cofer Black para seu conselho em fevereiro de 2017.

Black era um alto funcionário da CIA cuja experiência na condução de guerras clandestinas remontava ao programa de acção encoberta da administração Reagan em Angola, o senhor da guerra anticomunista armado pela CIA, Jonas Savimbi.

De 2005 a 2008, Black serviu como vice-presidente da Blackwater. Tinha também dirigido a unidade anti-bin Laden da CIA antes de formar a sua própria empresa privada de inteligência, Total Intelligence Solutions [7].

O autor Russ Bellant comparou Biden a JFK e Allen Dulles que criaram um exército privado para derrubar o governo de Castro em Cuba, na Baía dos Porcos.

Em ambos os casos, o governo dos EUA utilizou empresas privadas para angariar receitas e frentes de contrabando de armas e operações clandestinas dirigidas por extremistas de direita.

Nem Kennedy nem Dulles, contudo, envolveram os seus próprios familiares em esquemas de extorsão.

Biden: uma ponte entre a I Guerra Fria e a II Guerra Fria

O apoio de Biden a uma guerra por procuração contra a Rússia não é surpreendente, dados os seus antecedentes.

Tal como a CovertAction Magazine relatou anteriormente, Biden foi orientado como um “miúdo de vinte e nove anos” no Senado no início dos anos 70 por W. Averell Harriman, um dos pais da Guerra Fria.

Harriman era filho do magnata ferroviário E. H. Harriman e sócio fundador da principal empresa de investimento de Wall Street, Brown Brothers Harriman & Co., que investiu em lucrativos empreendimentos mineiros na União Soviética, que foram revogados por decretos de nacionalização comunistas.

A perda de lucros ajudou a alimentar o ódio de Harriman pela Rússia soviética durante toda a sua vida.

Ele insistiu em políticas anti-soviéticas como embaixador dos EUA na URSS de 1943 a 1946 e como secretário de Estado adjunto para os Assuntos da Ásia Oriental e do Pacífico e subsecretário de Estado para os Assuntos Políticos no início dos anos 60, quando apoiou uma escalada da Guerra do Vietname [8]. Harriman também dirigiu o Plano Marshall – um programa de ajuda económica dirigido à Europa Ocidental que foi concebido para isolar a União Soviética, entre outros objectivos.

Joe Biden seguiu o seu mentor, trabalhando para fazer avançar a política externa dos EUA na Guerra Fria.

Em 1976, Biden disse ao Comité de Informações do Senado que não tinha “ilusões sobre as intenções e capacidades soviéticas no mundo” e manifestou o seu acordo com o senador Daniel Patrick Moynihan (democrata de Nova Iorque) de que “o isolacionismo era uma base perigosa e ingénua sobre a qual apoiar a nossa política externa”.

Em janeiro de 1980, o senador Biden patrocinou uma resolução do Congresso com Frank Church (democrata de Dakota do Norte) promovendo um boicote aos Jogos Olímpicos de Moscovo devido à invasão soviética do Afeganistão, e em dezembro de 1982 patrocinou uma resolução com o senador Paul Tsongas (democrata de Massachusetts) promovendo apoio material aos mujahadin afegãos, jihadistas islâmicos apoiados pela CIA que lutaram contra a ocupação soviética.

Quando Biden se encontrou anteriormente com o primeiro-ministro soviético Alexei Kosygin durante as negociações sobre o controlo do armamento, disse-lhe com toda a veemência: “Sou de Delaware e temos um ditado – you can’t shit a shitter”. Isto foi traduzido para russo como “não se pode enganar um camarada”.

Nessa altura, Biden era considerado um defensor da negociação e desanuviamento do controlo de armas, que Harriman também tinha vindo a apoiar até essa altura.

Biden apoiou o Tratado de Controlo de Armas SALT II assinado por Jimmy Carter e Leonid Brejnev em junho de 1979, e visitou Moscovo em 1988 como parte de uma delegação que pretendia ratificar o Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF), que estabelecia limites às armas nucleares de médio alcance.

Joe Biden (à direita) senta-se em frente a Andrei Gromyko, presidente do Soviete Supremo da URSS, durante as negociações em Moscovo em 1988

“Se tivéssemos o Biden dos anos 70 e 80 [na Casa Branca], as pessoas não estariam preocupadas”, disse Sergey Karaganov, um proeminente especialista em política externa que disse ter desempenhado um papel organizando viagens assistidas por Biden nos anos 80.

A atitude de Biden em relação à Rússia tornou-se mais hostil na altura da II Guerra Fria.

Nos anos 90, como membro da Comissão de Relações Externas do Senado, Biden defendeu a expansão da NATO à Polónia, Hungria e República Checa, uma política que enfureceu os russos que tinham sido prometidos em 1991 que a NATO não seria expandida para leste em direcção à sua fronteira.

Em abril de 1998, Biden votou “não” à limitação da expansão da NATO à Polónia, Hungria e República Checa, uma medida que foi vetada pelo presidente Clinton.

George F. Kennan, o pai da doutrina de contenção da Guerra Fria que tinha trabalhado sob o comando de Averell Harriman quando era embaixador na União Soviética, avisou que a expansão da NATO se traduziria num “erro estratégico de proporções épicas” e no “erro mais fatídico da política americana em toda a era pós Guerra Fria”.

A razão é que iria “inflamar as tendências nacionalistas, anti-ocidentais e militaristas na opinião russa”, “restabelecer a atmosfera da guerra fria nas relações Leste-Oeste” e “impelir a política externa russa numa direcção decididamente não do nosso agrado” – o que foi exactamente o que aconteceu. [9]

Após a votação do Senado que ratificou a expansão da NATO para a Polónia, Hungria e República Checa a 30 de abril de 1998, Biden disse ao Washington Post de forma bastante duvidosa que “a NATO trouxe ao Ocidente meio século de segurança, e isto, de facto, é o início de mais cinquenta anos de paz”.


Biden acrescentou que

“num sentido mais amplo, estaremos a corrigir uma injustiça histórica imposta aos polacos, checos e húngaros por Joseph Stalin [secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética, 1922-1953, e primeiro-ministro soviético, 1941-1953].”

Falado como um verdadeiro guerreiro frio.

O senador Joe Biden a ouvir o presidente Bill Clinton durante uma reunião de expansão da NATO em 1997

Apoio às revoluções coloridas

Em 2009, Biden apoiou a candidatura da Ucrânia à adesão à NATO, concebendo a Ucrânia como um país importante cuja integração no Ocidente iria diminuir o poder russo.

Cinco anos antes, Biden tinha apoiado uma revolução colorida após eleições contestadas, que substituiram Viktor Yanukovych por Viktor Yuschenko como chefe de Estado da Ucrânia.

Yuschenko foi favorecido pelos EUA porque queria que a Ucrânia aderisse à NATO, tinha seguido um programa de austeridade neoliberal do FMI como chefe do Banco Central da Ucrânia nos anos 90, e disse a Moscovo que tinha de desocupar a sua base naval em Sevastapol, na Crimeia, até 2017.

Biden e Yuschenko em 2009

O governo dos EUA gastou pelo menos 34 milhões de dólares na promoção da mudança de regime em 2004 na Ucrânia através da National Endowment for Democracy (NED), enquanto o multimilionário dos fundos de cobertura George Soros investiu mais 1,6 milhões de dólares.

Os activistas do NED e grupos financiados por Soros empregaram uma ampla estratégia de relações públicas para ajudar a revolução colorida, transportando demonstrantes pagos de fora da cidade para Kiev, criando uma estação de televisão online de protesto e uma parafernália de agitação, e fornecendo formação offshore à liderança estudantil anti-Yanukovych baseada numa estratégia modelo “revolucionária” e nos escritos de Gene Sharp que tinham anteriormente empregado com sucesso na Sérvia com um grupo juvenil chamado “Otpor”.

Quando visitou a Ucrânia como vice-presidente em 2009, Biden disse que estava “ainda inspirado, como muitos americanos estão pelo que aconteceu aqui há menos de cinco anos, o mar de laranja que inundou a praça da independência, as centenas de milhares de ucranianos exigindo pacificamente que os seus votos fossem contados e que as suas vozes fossem ouvidas é algo que não será esquecido por muito, muito tempo”.

Biden continuou: Quarenta anos antes daquele acontecimento importante de 2004, o ex-presidente Eisenhower em Washington D.C. tinha desvendado um monumento ao grande poeta ucraniano Shevchenko “dedicado à libertação, liberdade e independência de todas as nações cativas… Quarenta anos mais tarde, em 2004, vimos o poder do que um povo livre exigindo justiça poderia realizar”.

Enquanto a revolução colorida se desenrolava, o senador Biden tinha apoiado a resolução 485 do Senado que condenava a fraude nas eleições de 2004 na Ucrânia.

Também apoiou a Resolução 202 do Senado condenando o regime estalinista por ter causado a fome ucraniana (Holodomor) da década de 1930 que alegadamente matou milhões de pessoas. Esta última resolução foi oposta pela Rússia que contesta a responsabilidade de Estaline pela fome.

A perspectiva da Rússia foi validada pelo historiador Mark Tauger, cuja investigação determinou que a fome na Ucrânia tinha causas ambientais, que as políticas soviéticas pretendiam ultrapassar.

A perspectiva da Guerra Fria de Biden ficou patente no seu patrocínio à Lei da Estratégia da Rota da Seda de 1999 e 2006, que visava expandir os investimentos e a influência dos EUA nos países ricos em petróleo da Ásia Central, a fim de enfraquecer o poder russo [10].

O senador Biden também patrocinou o Belarus Democracy Act de 2003, cuja intenção era provocar uma revolução colorida na Bielorrússia, resultando no derrube do líder socialista Alexander Lukashenko, que tinha resistido com sucesso às medidas de privatização impostas pelo Ocidente (“terapia de choque”) e assegurado baixos níveis de pobreza e desigualdade [11].

Biden caracterizou Lukashenko como um “caso de cabeça neofascista” [12].

Biden, pelo contrário, elogiou o presidente georgiano Mikheil Saakashvili (2004-2013) que foi condenado a três anos de prisão à revelia por encobrir o assassinato de um banqueiro georgiano, Sandro Girgvliani. Saakashvili também reprimiu violentamente os manifestantes da oposição e desencadeou uma guerra com a Rússia quando as forças georgianas invadiram as províncias separatistas da Ossétia do Sul e da Abcásia em agosto de 2008.

Em 2004, Biden tinha patrocinado uma emenda com John McCain para “honrar o povo da Geórgia no primeiro aniversário da Revolução Rosa”, outra acção patrocinada pela NED que tinha levado Saakashvili ao poder.

Além de desencadear a guerra com a Rússia, Saakashvili apoiou a adesão da Geórgia à NATO, inaugurou um oleoduto construído pela Bechtel que contornou a Rússia, e enviou tropas georgianas para combater no Afeganistão e no Iraque.

Na véspera da guerra Rússia-Geórgia, Biden patrocinou uma resolução condenando a Rússia por alegadamente ter feito declarações provocatórias em relação à Geórgia e denunciando quaisquer esforços da Rússia para afirmar uma maior influência sobre as províncias separatistas da Abcásia e Ossétia do Sul, que Biden alegou ser um “esforço de anexação pouco velado”.

O New York Times relatou, no entanto, que a maioria dos residentes da Ossétia do Sul queria especialmente tornar-se parte da Rússia.

O seu objectivo era reunir-se com os Ossetas do Norte na Rússia para restaurar Alânia, um reino antigo que eles acreditam ser o lar dos seus antepassados, os Citas, apelando directamente à Duma russa em 2004 para se apropriarem do seu território.

Murad Dzhioyev, ministro dos Negócios Estrangeiros da Ossétia do Sul, declarou: “Tudo o que Saakashvili faz é organizado pelo seu país [os Estados Unidos], e todas as crianças aqui presentes sabem disso. Os contribuintes ocidentais devem pensar para onde vão os seus impostos. Somos mortos por armas ocidentais” [13].

Ossétia do Sul, em agosto de 2008, numa outra guerra injusta apoiada por Biden

Fazendo frente ao Kremlin

A abordagem de Biden à Geórgia e à Ucrânia foi consistente com o seu acto de segunda carreira como novo guerreiro frio.

Em meados dos anos 2000, Biden começou a alertar a Comissão de Relações Externas do Senado sobre o crescente autoritarismo da Rússia, afirmando que, desde que Putin tomou posse em 2000, a Rússia tinha “experimentado aos meus olhos, o maior retrocesso da democracia que ocorreu em qualquer parte do mundo em décadas”.

O antecessor de Putin, Boris Ieltsin, no entanto, tinha ordenado aos soldados russos que invadissem o parlamento resultando na morte de mais de 100 pessoas, e ganhou eleições completamente corrompidas em 1996, nas quais foi assistido por consultores norte-americanos.

Em 1993, o senador Biden promoveu um pacote de ajuda de 1,6 mil milhões de dólares à Rússia, cujo objectivo, de acordo com Strobe Talbott, o homem-chave do presidente Bill Clinton sobre a Rússia, era “um investimento em revolução, uma tentativa de ajudar a Rússia a completar a destruição de um sistema e a construção, praticamente de novo, de um novo”.

Sob este novo sistema, os grandes ganhos sociais resultantes da educação, cuidados de saúde e habitação financiados pelo Estado na era soviética foram invertidos, e as indústrias estatais foram vendidas aos camaradas de Ieltsin por uma fracção do seu valor sob um esquema de privatização viciado.

Milhões de pessoas perderam as suas poupanças de uma vida depois de a Rússia ter falido com a sua dívida e desvalorizado a sua moeda em resposta a uma hiperinflação paralisante. Segundo dados do Banco Mundial, a esperança de vida dos homens desceu de 63,5 em 1991 para 57,5 em 1994.

Na edição de janeiro/fevereiro de 2018 da Foreign Affairs, Biden foi co-autor de um artigo com o seu assistente Michael Carpenter, “Como fazer frente ao Kremlin“, em que acusava Putin de “atacar descaradamente as fundações da democracia ocidental em todo o mundo através de ataques coordenados em muitos domínios – militar, político, económico, informativo”.

Estas acusações faziam parte de uma vingança contra Putin que tinha reafirmado o controlo russo sobre a sua economia e começado a inverter as desastrosas políticas defendidas por Biden e outros Clintonitas nos anos 90.

Biden e Carpenter apelaram ao “envio antecipado de tropas e capacidades militares da NATO para a Europa de Leste para dissuadir e, se necessário, derrotar um ataque russo [contra um dos Estados membros da aliança]”, intensificaram os esforços para “erradicar a desinformação, especialmente nos meios de comunicação social”, e a imposição de “maiores custos à Rússia pelas suas violações do direito internacional e da soberania de outros países” – incluindo através de sanções mais duras, que já eram muito duras [14].

Biden seguiu a sua peça da Foreign Affairs atacando Donald Trump durante a campanha eleitoral de 2020 pela sua alegada “subserviência” a Putin e por ser “o cachorrinho de Putin”.

Isto apesar de Trump ter expandido as sanções contra a Rússia e se ter retirado do tratado INF que Biden tinha apoiado no final dos anos 80.

A pessoa de contacto de Obama sobre a Ucrânia

Durante a sua vice-presidência, Biden foi nomeado como pessoa de contacto da administração Obama na Ucrânia e viajou para lá seis vezes.

O conselheiro de política externa de Biden, Michael Carpenter, declarou que “a Ucrânia era uma das três principais questões de política externa em que nos concentrávamos. Biden era a frente e o centro”.

Durante a visita de Biden em sezembro de 2015, onde se envolveu em chantagem, Biden fez um discurso emocionante ao parlamento ucraniano, no qual afirmou que o mundo tinha sido “transfixado” pelos “milhares de corajosos ucranianos que invadiram Maidan, exigindo uma revolução de dignidade” e depois ficou “horrorizado quando os patriotas pacíficos foram confrontados pela violência”.

Biden fala perante o parlamento ucraniano na mesma visita em que chantageou os líderes ucranianos

Os “cem celestiais” suportaram “atiradores de fogo e gelo nos telhados” e “pagaram o preço final dos patriotas de todo o mundo, o seu sangue e coragem entregando ao povo ucraniano uma segunda oportunidade de liberdade”.

A avaliação de Biden – representando o ponto de vista oficial do governo dos EUA – revelou que muitos dos manifestantes da Praça Maidan eram admiradores de Stepan Bandera, um colaborador nazi na Segunda Guerra Mundial, e tinham simpatias fascistas.

Uma percentagem dos “cem celestiais” também foram mortos por franco-atiradores que eram insurgentes que participavam em operações de bandeira negra concebidas para desacreditar as forças de segurança de Yanukovych.

Biden excluiu ainda que 48 apoiantes de Yanukovych foram mortos depois de activistas de extrema-direita os terem forçado a entrar num edifício sindical em Odessa e depois incendiaram-no. [15]

Yanukovych, por seu lado, estava disposto a aceitar um acordo que teria restaurado a constituição de 2005 e o acordo de partilha do poder e estabelecido eleições para dezembro.

Os manifestantes de Maidan rejeitaram o compromisso, embora não tenham reunido assinaturas suficientes para o impeachment, o que exigiu o derrube de Yanukovych através de um golpe de Estado [16].

Biden, no seu discurso de dezembro de 2015, afirmou que a Rússia tinha iniciado a guerra na Ucrânia Oriental, ocupando território soberano ucraniano e que os EUA “não reconhece, nunca reconhecerá a tentativa da Rússia de anexar a Crimeia”.

Na realidade, a guerra no leste começou quando o governo pós-Maidan se recusou a reconhecer a votação das províncias orientais para se separarem da Ucrânia.

A recusa em reconhecer a Crimeia foi igualmente uma decisão política decorrente da vingança da América contra o governo Putin, mais nacionalista do que o seu antecessor.

Os crimeios votaram esmagadoramente para se juntarem de novo à Rússia, que se lembraram da promessa de Yuschenko de encerrar as suas instalações navais em Sevastapol até 2017.

A caracterização de Biden dos líderes da província de Donbass como “separatistas, bandidos e criminosos” não foi partilhada por pessoas da região.

Nem os fortes elogios de Biden a Petro Poroshenko, um multimilionário representante da oligarquia do país, que presidiu a um regime considerado o mais corrupto da Europa [17].

Num discurso de janeiro de 2017, Biden disse aos ucranianos que Poroshenko tinha “revisto o seu governo, a sua economia, todo o seu sistema político”.

Mas Poroshenko era tão impopular que perdeu as eleições de 2019 de forma retumbante para um comediante sem experiência política anterior.

Biden, ao dirigir-se ao parlamento ucraniano, defendeu medidas de austeridade do FMI “exigindo sacrifício”, tais como o aumento da idade da reforma, o que ajudou a selar o destino político de Poroshenko [18].

Poroshenko também apoiou o fracking, em benefício da Burisma, e a privatização das terras agrícolas ucranianas.

Esta última foi aberta aos produtos químicos vendidos pela Monsanto – que investiu 140 milhões de dólares na construção de uma nova fábrica de sementes apenas semanas após o golpe de Maidan – e pela DuPont, a empresa sediada em Delaware, à qual Biden tinha laços profundos. A DuPont abriu uma fábrica de sementes na Ucrânia em 2013 para apoiar “o aumento da procura de híbridos de milho da marca Pioneer” [19].

Na sua visita de Páscoa de 2014 a Kiev, Biden pressionou o governo ucraniano através de incentivos de ajuda para sustentar a guerra no leste, face às deserções das tropas.

Biden, por sua vez, liderou o esforço para enviar tropas dos EUA para treinar as Forças Especiais Ucranianas, para fornecer equipamento militar crítico, incluindo Humvees blindados e drones de vigilância e valioso apoio de segurança e inteligência.

Biden presta homenagem aos “cem celestiais”

Quem pagou a conta?

As acções de Biden na Ucrânia foram moldadas em parte pela lista de contratantes de defesa que financiaram as suas campanhas políticas e beneficiaram de uma expansão da nova Guerra Fria.

A Lockheed Martin, um dos principais fabricantes de mísseis Javelin anti-tanque, deu a Biden 422.088 dólares durante a campanha de 2020 através de funcionários individuais, e gasta milhões de dólares em lobismo todos os anos.

A Raytheon Technologies, que também fabrica peças-chave do míssil Javelin, deu 493.294 dólares a Biden no ciclo eleitoral de 2020 em comparação com os 425.972 a Donald Trump. Biden nomeou um membro do seu Conselho de Administração, o antigo general Lloyd J. Austin III, como secretário da Defesa.

A cidade natal de Biden, Scranton, tem uma grande comunidade ucraniano-americana e o principal assistente de Biden, Michael Carpenter, foi membro da da Fundação EUA-Ucrânia Rede Amigos da Ucrânia (FOUN), um grupo de grupo de pressão apoiado por oficiais militares reformados e oficiais do Pentágono que pressionou para medidas agressivas dirigidas contra a Rússia.

Em 2018, Carpenter recebeu Andriy Parubiy, um legislador ucraniano de extrema-direita e fundador do Partido Social-Nacional Neofascista, quando visitou Washington.

Incêndio do edifício em Odessa, que Biden nunca reconheceu. Quarenta e oito pessoas morreram

Como é que o Biden se safa?

Durante a campanha presidencial de 2020, Biden beneficiou do apoio dos meios de comunicação social tradicionais e mesmo progressistas, que não conseguiram informar devidamente sobre os seus negócios corruptos na Ucrânia e aceitaram a alegação de Biden de que quaisquer relatos de actos ilícitos eram desinformação russa.

Os poucos jornalistas que tentaram discutir a história foram vilipendiados, incluindo Glen Greenwald, que se demitiu do The Intercept porque se recusou a publicar o seu artigo sobre o tema [20].

Quando os lealistas de Bernie Sanders criticam a política externa de Biden, concentram-se no Iraque e em Israel, mas nunca na Ucrânia [21].

A razão de tudo isto é simples: Ao contrário do que aconteceu durante a primeira Guerra Fria, quando havia pelo menos algum espaço para um debate razoável, o clima político tornou-se cada vez mais autoritário e opressivo.

Parar a Guerra da Ucrânia ou desanuviar com a Rússia não é uma causa da moda à esquerda devido à sua fixação actual com a política de identidade e raça; as vítimas da guerra da Ucrânia são brancas.

Além disso, a esquerda dos EUA tem estado tão empenhada em destruir Donald Trump que se alinhou com a retórica da nova Guerra Fria desde que Trump foi acusado de ser um agente russo.

O principal beneficiário de tudo isto tem sido Biden que rivaliza com Donald Trump e outros, como Bill Clinton e Richard Nixon, como um dos homens mais corruptos e sem princípios a ter sido eleito presidente dos EUA na era moderna.


[1] Evan Osnos, Joe Biden: The Life, the Run, and What Matters Now (Nova Iorque: Scribner, 2020).

[2] De acordo com uma investigação do New York Post, em 2014, Hunter não revelou 400.000 dólares em pagamentos da Burisma na sua declaração de impostos.

[3] Lutsenko possuía acções numa rede subterrânea de casinos, o que facilitou o jogo ilegal.

[4] Foi negado a Shokin um visto mesmo para viajar para os EUA onde viviam a sua filha e o seu neto.

[5] Os dois principais financiadores dos mísseis anti-tanque Javelin, Lockheed Martin e Raytheon, também financiaram o Atlantic Council.

[6] Chipre era um local conveniente para a lavagem de dinheiro.

[7] Outro membro da direcção da Burisma, o antigo presidente polaco, Alexander Kwasniewski, estava a pagar ao oligarca ucraniano de direita Viktor Pinchuk que doou 13 milhões de dólares à Fundação Clinton. Hillary Clinton, como secretária de Estado, foi uma patrocinadora agressiva do golpe de Maidan e da guerra suja na Ucrânia Oriental e queria levar a guerra para a Federação Russa.

[8] Ver Rudy Abramson, Spanning the Century: The Life of W. Averell Harriman, 1891-1986 (Nova Iorque: William Morrow, 1992).

[9] George F. Kennan, “A Fateful Error”, The New York Times, 5 de fevereiro de 1997.

[10] Ver Garry Leech, Crude interventions: The US, Oil and the New World (Dis)Order (Londres: Zed Books, 2006), pp. 55 e 56.

[11] Ver Stewart Parker, The Last Soviet Republic: Alexander Lukashenko’s Belarus (Londres: Trafford, 2007).

[12] Durante as eleições de 2020, Biden criticou Donald Trump por não falar sobre a repressão de protestos democráticos naquele ano na Bielorrússia, um país que, segundo ele, está a ser governado por um “ditador”.

[13] Depois dos combates terem abrandado, Biden pressionou o Congresso a apoiar um pacote de ajuda de mil milhões de dólares à Geórgia para ajudar este país a reconstruir e preservar as instituições democráticas, dizendo também que “as acções da Rússia teriam consequências”. Um relatório da UE, contudo, escrito pela diplomata suíça Heidi Tagliavini, concluiu que a Geórgia iniciou a guerra. Foi a Ossétia do Sul e não a Geórgia, além disso, que foi devastada pela guerra e precisou de ajuda. A 7 de agosto de 2008, os militares georgianos montaram um ataque de artilharia excepcionalmente pesada a Tskhinvali, que foi descrito por um jornalista como assemelhando-se a “queijo suíço”. Relatos de testemunhas oculares recolhidos pela BBC descrevem como, ao entrar em Tshkinvalli, tanques georgianos dispararam directamente contra um bloco de apartamentos e mataram civis que tentaram fugir dos combates. O jornalista da BBC Tim Whewell escreveu: “O que é impressionante é a quantidade de destruição que os georgianos infligiram em apenas alguns dias, e a destruição principalmente de casas comuns. Para os ossetianos, isso constitui um crime contra a humanidade, ao qual o mundo fechou os olhos”.

[14] Joseph R. Biden Jr., e Michael Carpenter, “How to Stand Up to the Kremlin”: Defendendo a Democracia Contra os Seus Inimigos”, Foreign Affairs, janeiro/fevereiro de 2018, 44-57.

[15] Ver Chris Kaspar De Ploeg, Ukraine in the Crossfire (Atlanta: Clarity Press Inc., 2017).

[16] Ver Jeremy Kuzmarov, Obama’s Unending Wars: Fronting the Foreign Policy of the Permanent Warfare State (Atlanta: Clarity Press Inc., 2019), p. 231.

[17] O próprio Poroshenko criou uma empresa off-shore enquanto presidente, que se suspeitava ter sido utilizada para fugir ao pagamento de impostos.

[18] Poroshenko aceitou largamente estas medidas, aprovando uma lei de “reforma” das pensões, que reduziu as reformas antecipadas e aumentou o número de anos em que os trabalhadores têm de contribuir para o sistema de pensões a fim de se qualificarem, mas deixou de aumentar a idade da reforma ou cortar os pagamentos.

[19] A primeira campanha do Senado de Biden, em 1972, foi realizada por funcionários da DuPont, teve o seu escritório numa estrada com o nome da DuPont e celebrou a sua vitória no Salão de Baile de Ouro do Hotel DuPont. Biden também viveu durante muitos anos na mansão da DuPont em Wilmington. Durante o ciclo eleitoral de 2020, a DuPont forneceu à campanha de Biden 95.729 dólares. Biden recebeu ainda doações de lobistas e executivos da DuPont que trabalham para empresas pertencentes à família DuPont. Para uma história crítica da DuPont, ver Gerard Colby, Du Pont Dynasty: Behind the Nylon Curtain (Secaucus, NJ: Lyle Stuart, 1984).

[20] Esta difamação estendeu-se à esquerda política. Paul Street, por exemplo, referiu-se às “acusações de Hunter Biden” como “propaganda da direita” numa coluna de Contrapunhos, e chamou a Greenwald um “esquivo trumpenlibertariano” que tentava fazer um “momento de Comey para Trump na véspera das eleições de 2020”.

[21] A crítica informada de Branko Marcetic a Biden, Yesterday’s Man (Londres: Verso, 2020) não discute os negócios de Biden na Ucrânia e o apoio à guerra naquele país. Marcetic alega ainda que as acusações que Biden chantageou o governo ucraniano para disparar Shokin não estão “provadas”, quando de facto Biden se gabou de o ter feito num discurso de Janeiro de 2018 perante o Council on Foreign Relations.

Fonte: CovertAction Magazine

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube