A China ergue-se na América Latina enquanto o Sol se põe na Doutrina Monroe

A ascensão da China no comércio, negócios e influência na América Latina tem sido comparativamente ignorada. Mas está a acontecer. É real.


A China está rapidamente a ultrapassar os Estados Unidos como a nação mais influente em toda a América Latina, no próprio quintal dos Estados Unidos. Isto não é um orgulho para o governo chinês.É a avaliação considerada do almirante cinco estrelas que chefia o Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM) no seu testemunho a 16 de março ao Comité dos Serviços Armados do Senado.

Durante quase 200 anos, desde que o presidente James Monroe o esboçou pela primeira vez numa mensagem regular ao Congresso, em dezembro de 1823, sucessivas gerações de Estados Unidos, os decisores políticos e o povo americano tomaram como certo que todo o vasto continente da América do Sul, bem como o gigante México, as nações pequenas e muito maltratadas da América Central e das Caraíbas foram e devem continuar a ser sempre o quintal dos Estados Unidos, com todos os poderes supostamente maléficos e repressivos do Velho Mundo mantidos fora deles – nos sagrados nomes, claro, de Democracia, Liberdade e Comércio Livre.

De facto, com excepção de um punhado de eras demasiado breves de idealismo e boa vontade genuínos sob os presidentes Ulysses S. Grant (1869-77), Franklin D. Roosevelt (1933-45) e John F. Kennedy (1961-63), o domínio americano do hemisfério ocidental de língua espanhola e portuguesa tem sido caracterizado, não por negligência benigna, mas sim por uma atenção monstruosamente maligna.

As repressões e depredações que o presidente Porfirio Diaz, com o apoio entusiástico de Wall Street e da City londrina, infligiu ao povo mexicano durante os seus 35 anos de reinado de terror de 1876 a 1911, agora conhecido como o Porfiriato, desafiam a crença: Quase 10 milhões de camponeses foram expulsos das suas terras e a esperança de vida nacional caiu para apenas 30 anos, quando tinha 50 anos nos vizinhos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, 1,5 mil milhões de dólares de investimento empresarial dos Estados Unidos (e estes eram dólares do século XIX) foram injectados.

Uma nova era de intervenção mais santa do que a sua pesada intervenção veio com o primeiro presidente americano sistematicamente imperialista, Theodore Roosevelt. TR foi uma piada ridícula como soldado e líder militar. Em 1898, ele atacou a Colina de San Juan em Cuba, conseguindo evitar levar um tiro e depois, nos primeiros anos da Primeira Guerra Mundial, tentou incessantemente envolver os Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial desde quase o início: Imaginava que uma carga de cavalaria ao estilo da Colina de San Juan através da Frente Ocidental iria quebrar o exército alemão. Se ele tivesse tido o seu caminho, 2 milhões de rapazes americanos teriam sido a lavra para fertilizar os campos da Bélgica e do Norte de França – para nada.

Mas no Hemisfério Ocidental, TR foi muito mais eficaz: ele empreendeu uma agressão sem vergonha contra a nação de Colômbia, esculpindo dela todo um estado secessionista para que os Estados Unidos pudessem construir e controlar o Canal do Panamá – um passo essencial na ascensão da América à potência marítima global. E o primeiro Roosevelt também estabeleceu o sombrio precedente do século XX de que as nações da América Central e do Sul precisavam da mão guia do imperialismo americano para as chicotear (literalmente) na sua forma. Ele dignificou esta política de agressão e exploração imperial com o título “O Corolário de Roosevelt”.

Woodrow Wilson, um racista horrendo anti-afro-americano da natureza mais profunda e implacável, iniciou uma nova era de intervenções catastróficas no hemisfério, primeiro no México e depois também em toda a região das Caraíbas. Este estado de coisas continuou durante a década de 1920.

O agora venerado e deificado presidente Dwight D. Eisenhower aprovou conscientemente uma guerra aberta da CIA para derrubar a verdadeira democracia do presidente Jacobo Arbenz na Guatemala em 1954: Foi um crime internacional que desencadeou muito pior – uma Idade Negra de genocídio, violação em massa e o massacre e escravização de crianças contra os antigos povos maias de toda a região. O falecido filósofo político irlandês Conor Cruise O’Brien, antes de se tornar um neocon na sua fase, comentou de forma impressionante que a contínua repressão dos EUA e os crimes contra a humanidade em toda a América Central excederam em muito tudo o que a União Soviética infligiu ao estabelecer a sua zona de segurança de Estados amigos na Europa Central após a Segunda Guerra Mundial.

O presidente George Herbert Walker Bush não fez nenhum disparate ao derrubar o corrupto e genuinamente feio, mas também o pequeno bandido Manuel Noriega deu o tom para as gerações desde então: O nome que Bush aprovou para a invasão “Operação Causa Justa” reflectiu perfeitamente a combinação de total, confiante e sem hesitações de auto-retidão e prontidão instintiva para ignorar todos os padrões do direito internacional e o fair play que os sucessivos líderes e decisores políticos dos EUA sempre sentiram sobre invadir e derrubar qualquer governo que quisessem em toda a América Latina.

No entanto, tudo isto foi a história dos séculos XIX e XX e já neste ainda jovem século XXI, as coisas estão finalmente a mudar: Ignorada em toda a comunicação social dos EUA o chefe do SOUTHCOM, o almirante Craig Feller, transmitiu ao Comité dos Serviços Armados do Senado a sua mensagem honesta, directa e explícita. (Embora na minha longa experiência, quase todos os senadores que a ouviram terão esquecido tudo o que o almirante disse após os seus três ou quatro martinis pós-audição).

Pode-se certamente discordar do tom dos comentários do almirante Fuller que se centraram nos avanços e alegadas iniquidades da Rússia e da China, em vez das políticas bipartidárias desastrosas que as administrações George W. Bush, Barack Obama, Donald Trump e agora Joe Biden têm seguido sistemática e consistentemente para reprimir e minar a democracia em toda a América Latina em nações grandes (Brasil) e pequenas (Equador, Peru e Bolívia), bem como nas que se encontram entre elas (Colômbia e Venezuela).

Contudo, a sensação de desafio, perigo e alarme que o almirante tentou transmitir é demasiado clara:

“Sinto uma incrível sensação de urgência”, disse ele. “Este hemisfério em que vivemos está a ser assaltado. Os próprios princípios e valores democráticos que nos unem estão a ser activamente minados por organizações criminosas transnacionais violentas e pela República Popular da China (RPC) e Rússia. Estamos a perder a nossa vantagem posicional neste hemisfério e é necessária uma acção imediata para inverter esta tendência”.

A China está a construir, comprou ou controla actualmente 40 grandes portos em toda a América Latina, disse o comandante do SOUTHCOM. E agora, para além disso, a COVID-19 está a destruir a estabilidade política em todo o continente, disse o almirante.

“Há uma espiral de instabilidade acelerada a agarrar a região, uma vez que a pandemia aumentou a sua fragilidade da região. A América Latina e as Caraíbas têm sofrido entre as mais altas taxas de mortalidade da COVID-19 no mundo”, disse Feller. “Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), o rendimento per capita na América Latina não irá recuperar da pandemia até 2025″.

Ao horror estratégico da América, a China lançou uma ofensiva de ajuda COVID-19 de mil milhões de dólares em toda a América Latina para construir influência na região e já está a avançar rapidamente para o seu objectivo de domínio económico na região dentro dos próximos 10 anos, disse o almirante.

“Em 2019, a República Popular da China ultrapassou os Estados Unidos como o principal parceiro comercial com o Brasil, Chile, Peru e Uruguai e é agora o segundo maior parceiro comercial da região, atrás dos Estados Unidos. De 2002 a 2019, o comércio da RPC com a América Latina subiu de 17 mil milhões de dólares para mais de 315 mil milhões de dólares, com planos para atingir 500 mil milhões de dólares em comércio até 2025”, disse o almirante.

A ascensão económica da China em África tem sido muito comentada e estudada no Ocidente. Contudo, o seu aumento paralelo no comércio, negócios e influência na América Latina tem sido comparativamente ignorado. Mas está a acontecer. É real. E está a mudar o destino de um continente.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram e VK