O vento muda e os houthis rejeitam os acordos de paz sauditas e americanos

Os houthis – fortalecidos por seis anos de perseverança no meio de uma das guerras mais violentas contra algumas das forças militares mais poderosas do mundo, para não mencionar a capacidade de rejeitar as propostas apresentadas por essas mesmas potências – têm poucos incentivos para aceitar as ofertas de “paz” de Riade ou de Washington.


Por Ahmed Abdulkareem

O dia 26 de março marca o sexto aniversário da campanha de bombardeamento saudita apoiada pelos EUA no país devastado pela guerra do Iémen, tendo-se realizado manifestações maciças em todo o país na sexta-feira para comemorar.

Centenas de milhares de pessoas tomaram as ruas na capital iemenita de Sanaa, perto do Aeroporto Internacional sitiado, e em Hodeida, lar do maior e mais importante porto marítimo do país. De facto, milhares de iemenitas reuniram-se em mais de vinte praças de cidades através das províncias do norte, carregando bandeiras iemenitas e segurando bandeiras ornamentadas com mensagens de firmeza e promessas de libertar o país inteiro do controlo saudita. Imagens das manifestações mostram um mar de bandeiras iemenitas, cartazes com imagens do líder houthi Abdulmalik al-Houthi, e o slogan “Seis anos de agressão – Estamos prontos para o sétimo ano – Vamos ganhar”.

“Estamos aqui para enviar uma mensagem tanto aos Estados Unidos como à Arábia Saudita de que estamos prontos para fazer mais sacrifícios contra a Coligação liderada pela Arábia Saudita”, disse Nayef Haydan, líder do Partido Socialista Iemenita e membro do Conselho Shura do Iémen. “Qualquer iniciativa de paz deve conter um fim permanente da guerra, levantar completamente o bloqueio, incluir um programa detalhado de reconstrução, e compensar os iemenitas”, acrescentou ele.Tendo bombardeado durante seis anos, os sauditas falam agora de paz

Durante seis anos, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, dois dos países mais ricos do planeta, bombardearam incansavelmente a nação mais pobre do Médio Oriente, com a ajuda crucial de três administrações norte-americanas consecutivas. Durante 2.160 dias – seis anos seguidos – a Real Força Aérea Saudita e a Força Aérea dos EAU lançaram, com a assistência americana, quase 600.000 ataques aéreos no Iémen. Os bombardeamentos visaram casas civis, escolas, hospitais, estradas, funerais, instalações alimentares, fábricas, mesquitas, água, bombas e esgotos, mercados, campos de refugiados, cidades históricas, barcos de pesca, estações de combustível, um autocarro escolar cheio de crianças, e campos beduínos, tornando qualquer potencial reconstrução muito longa e dispendiosa.

O bombardeamento continua mesmo quando começam a surgir conversações sobre novas iniciativas de paz. Ainda no domingo passado, 21 de março, ataques aéreos consecutivos sauditas destruíram uma exploração avícola na província de Amran. O ataque foi especialmente flagrante, uma vez que o Iémen está a sofrer uma das mais graves fomes da história recente. De facto, o país enfrenta uma crise humanitária, económica e política de uma magnitude não vista há décadas. Segundo as Nações Unidas, quase 16 milhões de iemenitas vivem sob fome, com 2,5 milhões de crianças a sofrer de subnutrição. E milhares de trabalhadores do Estado iemenita enfrentam agora a fome, uma vez que os seus salários não foram pagos durante anos depois de a Coligação Saudita ter tomado o controlo do banco central do país.

Destruição implacável

Quando o conflito entra no seu sétimo ano, as massas fatigadas pela guerra do país enfrentam novos e sombrios marcos. O surto de cólera de crescimento mais rápido jamais registado e os surtos de gripe suína, raiva, difteria e sarampo estão entre as ameaças biológicas provocadas pelo homem que o Iémen enfrenta. Entretanto, centenas de iemenitas estão a morrer diariamente de Covid-19 no meio de um sistema de saúde em colapso e destruído. Muitas destas doenças e crises não são naturais, mas foram criadas, artificial e intencionalmente, pela Arábia Saudita. A Coligação Saudita apoiada pelos EUA destruiu total ou parcialmente pelo menos 523 estabelecimentos de saúde e bombardeou pelo menos 100 ambulâncias, de acordo com um relatório do Ministério da Saúde sediado em Sanaa emitido na passada terça-feira.

Anos depois de a Arábia Saudita ter imposto um bloqueio aos portos do Iémen, pondo termo aos fornecimentos que salvam vidas, os iemenitas continuam a sofrer de falta de alimentos, combustível e medicamentos. O porto de Hodeida, que é o principal ponto de entrada para a maioria das importações de alimentos do Iémen, está ainda sob um estrito bloqueio saudita; mesmo a ajuda humanitária é impedida de chegar ao porto. O Aeroporto Internacional de Sanaa, que foi fortemente bombardeado pela Força Aérea Saudita nas últimas duas semanas, foi bloqueado quase desde o início da guerra, deixando milhares de pacientes médicos a morrer prematuramente porque não puderam viajar para o estrangeiro para receber tratamento.

Os iemenitas, por sua vez, recorreram a alvejar a Coligação Saudita no seu próprio quintal. Na esperança de que levando a batalha até ao Reino, a monarquia saudita terá de pagar um tributo suficiente para a fazer repensar o seu pântano no Iémen, os mísseis e drones houthi têm tido um sucesso crescente no ataque às infraestruturas petrolíferas, aeroportos e bases militares sauditas, deixando o solo saudita exposto a bombardeamentos diários pela primeira vez desde que a família Al Saud fundou o seu Estado.

Numa declaração recente, o porta-voz do Exército do Iémen apoiado pela Ansar Allah (“Apoiantes de Deus”) afirmou que a sua Força Aérea tinha efectuado mais de 12.623 ataques com drones e operações de reconhecimento durante os últimos seis anos e que, só nos últimos dois meses, foram disparados 54 mísseis balísticos de alta precisão contra alvos sauditas vitais, alguns deles nas profundezas da Arábia Saudita.

Na quarta-feira passada, o aeroporto saudita de Abha foi atacado por vários drones, e na sexta-feira, uma instalação pertencente ao gigante petrolífero estatal Aramco, na capital saudita de Riade, foi atingida por seis drones, causando danos nas instalações, de acordo com fontes militares do Iémen.

Futilidade saudita

Apesar da sua enorme ofensiva, armas ocidentais letais e centenas de milhares de milhões de dólares desperdiçados nesta guerra, a Arábia Saudita tem sido incapaz de esmagar a vontade do povo iemenita, que continua a lutar pela independência e soberania. No final de março de 2015, o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman (MBS) prometeu confiante que tudo acabaria dentro de algumas semanas e que a Ansar Allah se renderia rapidamente. Agora, após seis anos de guerra, Bin Salman não só não foi capaz de derrotar os houthis, como em vez disso ainda os tornou mais poderosos, levando a muita consternação na Arábia Saudita e a uma tentativa sem convicção de Bin Salman de pedir aos houthis que aceitem a versão de paz do seu país e libertem o Reino do atoleiro que criou para si próprio no Iémen.

Enquanto os iemenitas dão o seu último empurrão para reconquistar a cidade estratégica de Marib, no meio de esforços falhados dos EUA para proteger o seu aliado saudita dos mísseis balísticos e drones houthi, tanto Washington como Riade apresentaram iniciativas de paz num esforço para conter a maré de derrotas militares da Coligação Saudita. Essas iniciativas, contudo, não conseguem resolver ou aliviar a situação humanitária do Iémen, acabar com a guerra, ou mesmo levantar o bloqueio.

Vinho azedo em garrafas novas

A 12 de março, o enviado especial dos EUA para o Iémen, Tim Lenderking anunciou uma iniciativa para pôr fim à guerra durante num webinar do Atlantic Council. O plano é essencialmente uma versão reciclada de uma proposta anterior apresentada por MBS e a administração Trump há um ano em Omã, apelidada de “Declaração Conjunta”. Contém uma matriz de princípios e condições sauditas que visam a rendição do exército do Iémen, dos houthis e dos seus aliados, em troca do fim da guerra. A iniciativa de Lenderking não dá qualquer garantia de que a Coligação tomará quaisquer medidas para levantar o seu bloqueio e pôr fim à pior crise humanitária do mundo.

A 22 de março, a Arábia Saudita anunciou a sua própria “iniciativa de cessar-fogo” para pôr fim à guerra que anunciou de Washington D.C. há seis anos. O ministro saudita dos Negócios Estrangeiros, Faisal bin Farhan revelou a iniciativa, que incluiria um cessar-fogo a nível nacional sob a supervisão da ONU e uma reabertura parcial do Aeroporto Internacional de Sanaa para determinados destinos. Incluiu também um plano de partilha de receitas que garantiria ao governo saudita o acesso a uma parte da riqueza gerada pelos depósitos de petróleo e gás do Iémen em Marib.

Volte quando quiser falar a sério

Ambas as iniciativas foram rejeitadas por Sanaa. “Rejeitamos as iniciativas de paz americanas e sauditas porque não satisfazem as exigências do povo iemenita”, disse Khaled al-Sharif, presidente da Comissão Eleitoral Suprema, sobre as propostas durante uma reunião realizada em Sanaa na segunda-feira. De acordo com muitos iemenitas, incluindo decisores em Sanaa, os planos dos EUA e da Arábia Saudita não se destinam a alcançar a paz, mas sim a fazer avançar os seus objectivos políticos face a um iminente fracasso militar após seis dispendiosos anos de guerra. As medidas, de acordo com oficiais em Sanaa, têm também como objectivo salvar a face e apresentar um plano insustentável, para que quando for inevitavelmente rejeitada a maré da opinião pública se vire a favor da Coligação liderada pela Arábia Saudita.

Num discurso televisionado em directo, comemorando o sexto aniversário da guerra na tarde de quinta-feira, AbdulMalik al Houthi, o líder dos Houthis, recusou as iniciativas de Washington e Riade, explicando:

Os americanos, os sauditas, e alguns países tentaram convencer-nos a trocar o dossier humanitário por acordos militares e políticos. Recusamo-lo.

O acesso a produtos petrolíferos, alimentos, material médico e básico é um direito humano e legal que não pode ser trocado em troca de extorsão militar e política.

Estamos, [contudo], prontos para uma paz honrosa em que não haja troca pelo direito do nosso povo à liberdade e independência ou pelos legítimos direitos do Iémen”.

A liderança houthi vê as políticas da administração Biden como não muito distantes das do seu predecessor, Donald Trump. “A administração Biden está a seguir as mesmas políticas que as do ex-presidente Donald Trump. [Eles] não ofereceram um novo plano para a paz no Iémen. Washington apresentou antes um velho plano para a resolução do conflito”, disse o porta-voz da Ansar Allah, Mohammed Abdul-Salam, acrescentando que o plano dos EUA não oferece nada de novo. “O plano colocou condições para a abertura do porto de Hodeida e do Aeroporto Internacional de Sanaa, que são inaceitáveis”, concluiu ele.

Não nos retiramos, não nos rendemos

Os houthis – fortalecidos por seis anos de perseverança no meio de uma das guerras mais violentas contra algumas das forças militares mais poderosas do mundo, para não mencionar a capacidade de rejeitar as propostas apresentadas por essas mesmas potências – têm pouco incentivo para aceitar a oferta de Riade. Vêem o fim do conflito vindo de Washington sob a forma de um anúncio de cessar-fogo imediato, uma partida de todas as forças estrangeiras do país, e o levantamento do bloqueio aéreo e marítimo como uma condição prévia para qualquer acordo. “Deveriam ter demonstrado a sua seriedade para o estabelecimento da paz, permitindo que alimentos e combustível atracassem no porto de Hodeida em vez de apresentarem propostas”, disse Mohammed Ali al-Houthi.

Mais de dois mil dias consecutivos de guerra provaram que a Arábia Saudita não está preparada para trazer a paz ao Iémen dilacerado pelo conflito. Com excepção de um frágil cessar-fogo em Hodeida e de um pequeno número de libertações de prisioneiros, as negociações entre os dois lados atingem geralmente um beco sem saída, uma vez que MBS procura a rendição total e nada mais. Numerosas negociações entre a Arábia Saudita e o Iémen fracassaram, incluindo as conversações de paz mediadas pela ONU na Suíça em 2018. Os iemenitas, que estão agora na ofensiva, é pouco provável que se retirem ou se rendam. A ofensiva para recapturar Marib, rica em petróleo e varrer as zonas de contracção que permanecem no controlo saudita, não mostra sinais de abrandamento e, segundo altos funcionários militares, a província de Shabwa, rica em gás, controlada pela Arábia Saudita, será a próxima a ser libertada. Além disso, os mísseis balísticos de retaliação e os ataques com drones contra alvos sauditas irão continuar.

Apesar das recentes iniciativas de paz, a Coligação liderada pela Arábia Saudita apenas intensificou esta semana as manobras militares no Iémen. Os aviões de guerra sauditas são vistos regularmente acima de áreas urbanas altamente povoadas no norte do país, lançando centenas de toneladas de artilharia, a maioria fornecida pelos Estados Unidos. Existe um quase consenso entre os líderes do exército iemenita e a Ansar Allah de que a actual administração dos EUA está a participar nas batalhas que têm lugar na província de Marib, rica em petróleo. No entanto, os houthis não acusaram directamente a administração Biden de estar envolvida nos combates e estão à espera de mais provas para o fazer. Podem não ter de esperar muito tempo. Na terça-feira, um sofisticado drone MQ-9 Reaper, fabricado nos EUA, foi abatido com um míssil terra-ar enquanto sobrevoava o distrito de Sirwah em Marib.

Fonte: MintPress News

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram e VK