Como a China está ultrapassando com inteligência os EUA no Médio Oriente

Por Salman Rafi Sheikh

A competição entre a China e os EUA pelo domínio e influência no Médio Oriente intensifica-se na sequência do ressurgimento da China e de um regresso dos EUA à política de intervenções e confrontos sob a administração de Joe Biden. O secretário de Estado norte-americano Antony Blinken anunciou recentemente que os EUA vão colocar a “democracia” e os “direitos humanos” no centro da sua política externa. A “democracia” e os “direitos humanos” têm sido utilizados durante décadas para legitimar as intervenções dos EUA e a sua política de confrontação com os seus países rivais. Funcionários norte-americanos, na sequência deste discurso, são frequentemente vistos a referir-se a “violações dos direitos humanos” na China e na Rússia.

Blinken anunciou que:

“O presidente Biden está empenhado numa política externa que une os nossos valores democráticos com a nossa liderança diplomática, e que está centrada na defesa da democracia e na protecção dos direitos humanos”.

Um regresso a esta forma de política é um requisito estratégico, que se enraíza num pensamento que vê a política “América Primeiro” de Trump como a razão do declínio dos EUA e do ressurgimento chinês.

Embora a ascensão da China não seja simplesmente um resultado do declínio dos EUA ou da “América em Primeiro Lugar” de Trump, não há qualquer dúvida de que a ascensão da China está a contribuir maciçamente para o declínio dos EUA. Isto é especialmente evidente no Médio Oriente, uma região que historicamente tem permanecido sob o domínio dos EUA.

No centro da política da China para o Médio Oriente está a ideia de procurar um terreno comum, salvaguardando ao mesmo tempo as diferenças. A procura de um terreno comum por parte da China está centrada numa viragem estratégica para uma forma de compromisso que não escapa a um papel na gestão e resolução de conflitos. Esta viragem baseia-se num pensamento crescente de que o Médio Oriente não pode regressar à estabilidade sem uma estrutura política, económica e de segurança multinacional da qual a China também deveria fazer parte.

O crescente interesse da China na gestão de conflitos através de estruturas multinacionais baseia-se no facto de os EUA, apesar da sua longa história de relações com o Médio Oriente, não terem conseguido resolver as suas questões centrais. Por outro lado, os EUA têm intensificado directamente estes conflitos. Isto é evidente pelo crescente confronto entre os EUA e o Irão e Israel e o Irão. Se os EUA contribuíssem para a paz no Médio Oriente, teriam realizado este objectivo através de uma adesão estrita ao JCPOA. Tal como está, os EUA têm feito exactamente o contrário.

Enquanto os analistas ocidentais continuam a apontar para o “complexo” cenário do Médio Oriente que desafia todas as perspectivas de uma infra-estrutura política, económica e de segurança comum, também continua a ser o facto de a China ter feito alguns ganhos cruciais nos últimos anos no desenvolvimento de laços directos com alguns dos mais antigos aliados dos EUA. Isto, por exemplo, é evidente pelo profundo envolvimento da China nos Emirados Árabes Unidos (EAU) e pelo seu papel crescente na construção dos seus portos.

Mesmo durante a pandemia, a presença da China no Médio Oriente tem continuado a crescer, e isso também à custa dos EUA. Os EAU, com a ajuda da China, abriram a maior instalação de testes COVID-19 fora de Pequim, em Abu Dhabi. Os EAU, logo seguidos pelo Bahrein e Marrocos, foram os primeiros países a aprovar uma vacina chinesa feita por uma empresa estatal Sinopharm. É também importante notar que todos estes países estão muito próximos dos EUA e fazem parte dos Acordos de Abraão – uma declaração de agosto de 2020 para a manutenção da paz no Médio Oriente – juntamente com Israel e os EUA.

E, enquanto os EUA têm conseguido bloquear a utilização da tecnologia 5G da China nos EUA e um pouco na Europa, a China já deu alguns passos muito cruciais na extensão das suas rotas da seda digital para o Médio Oriente. Uma razão crucial para o sucesso da China no Médio Oriente é a forma como tem sido capaz de tirar partido da sua dependência do petróleo do Médio Oriente para expandir o seu acesso ao mercado de produtos de tecnologia de informação e comunicação do Médio Oriente, no valor de 162 mil milhões de dólares. Os chineses, em palavras simples, têm sido bem sucedidos em transformar a sua dependência em dependência mútua, potenciando o petróleo para 5G.

Em janeiro, a Arábia Saudita, um dos maiores fornecedores de petróleo à China, anunciou que iria abrir a maior loja da Huawei fora da China em Riade, alguns meses após um acordo com a empresa sobre o desenvolvimento de inteligência artificial para apoiar o crescimento dos sectores público e privado. No Verão de 2020, a empresa de investimento saudita Batic conseguiu um acordo com a Huawei para trabalhar em projectos de “cidade inteligente” no reino, onde já é um parceiro principal no projecto Yanbu Smart Industrial City no Mar Vermelho. Estes desenvolvimentos ajudaram directamente a China a ultrapassar bloqueios liderados pelos EUA noutros locais. “Ao ganhar a confiança dos nossos parceiros no Médio Oriente, fomos capazes de mitigar pressões políticas externas como as prosseguidas pelos EUA”, disse Charles Yang, o chefe do Médio Oriente de Huawei, numa entrevista recente.

A estratégia da China de encontrar uma base comum permitiu-lhe construir uma geografia de comércio que é mutuamente benéfica. Os números da ONU mostram que o seu comércio com a Arábia Saudita em 2019 atingiu cerca de 36,4 mil milhões de dólares, enquanto com os Emirados Árabes Unidos excedeu os 50 mil milhões de dólares. “As infra-estruturas digitais tornaram-se um pilar fundamental das estratégias nacionais de transformação (dos Estados do Golfo)”, disse ainda Yang.

A crescente presença económica, política e digital da China no Médio Oriente é um grande motivo de preocupação para muitos decisores políticos nos EUA, especialmente no Pentágono. Alguns ex-funcionários do Pentágono argumentam que:

“Continua a ser um imperativo para os Estados Unidos combater a China no Médio Oriente… Temos de continuar a trabalhar para transformar e procurar soluções inovadoras para garantir que não cederemos relações estratégicas críticas… Se a administração Biden continuar a rejeitar a ameaça que a China representa, fá-lo-á à custa da liderança global da América”.

A declaração acima citada de Antony Blinken em seu nome mostra que a administração Biden já decidiu regressar a uma forma de política que procura principalmente preservar a dominação global dos EUA e o empurrão contra a China no Médio Oriente e também noutros lugares, ou seja, Europa e África. Se os EUA podem realmente fazer isto está longe de ser certo. De facto, é improvável dado que a China está a desenvolver-se suficientemente depressa para se tornar a maior economia do mundo dentro de uma década aproximadamente. Apresenta aos EUA um facto consumado que dificilmente poderá inverter.

Traduzido de New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram e VK