O que fazer com as sanções extraterritoriais? Respostas da UE

Por Ivan Timofeev

Uma das decisões importantes da nova administração dos EUA foi a sua revisão da política de sanções herdada do presidente Donald Trump. Os bens “tóxicos” da equipa cessante incluem a deterioração das relações com a União Europeia. As divisões entre Washington e Bruxelas existem desde muito antes da chegada de Trump à Casa Branca. A UE não aceita categoricamente sanções extraterritoriais dos EUA. Em 1996, o Conselho da UE aprovou o chamado “Estatuto de Bloqueio”, concebido para proteger as empresas europeias das medidas restritivas dos EUA que visavam Cuba, o Irão e a Líbia. Durante muito tempo, Washington evitou o agravamento das relações com a UE, embora as empresas europeias estivessem sujeitas a pesadas multas por violação dos regimes de sanções dos EUA.

Os bens “tóxicos” da equipa cessante incluem a deterioração das relações com a União Europeia. As divisões entre Washington e Bruxelas existem desde muito antes da chegada de Trump à Casa Branca. A UE não aceita categoricamente sanções extraterritoriais dos EUA. Em 1996, o Conselho da UE aprovou o chamado “Estatuto de Bloqueio”, concebido para proteger as empresas europeias das medidas restritivas dos EUA que visavam Cuba, o Irão e a Líbia. Durante muito tempo, Washington evitou o agravamento das relações com a UE, embora as empresas europeias estivessem sujeitas a pesadas multas por violação dos regimes de sanções dos EUA.

A situação deteriorou-se significativamente durante a presidência da Trump. Pelo menos três eventos serviram como um duche de água fria para a UE no que diz respeito à relação do bloco com os EUA. O primeiro foi a retirada unilateral dos Estados Unidos da JCPOA – o “acordo nuclear iraniano”. Trump renovou as restrições americanas ao Irão na sua totalidade, e depois expandiu-as significativamente. A sua diligência forçou dezenas de grandes empresas da UE a abandonar o Irão; estas foram tratadas pelas autoridades americanas com multas e outras medidas coercivas. Bruxelas ficou impotente para convencer Washington a regressar ao acordo. As autoridades da UE também não puderam oferecer às suas empresas garantias de protecção fiável contra medidas punitivas tomadas pelo Tesouro dos EUA e outros departamentos. O segundo acontecimento foi o poderoso ataque de Washington ao projecto do gasoduto Nord Stream 2. Trump opôs-se abertamente ao oleoduto, embora a administração Obama também se tenha oposto. O Congresso aprovou duas leis de sanções que visam os projectos russos de oleodutos. O Congresso dos EUA e o Departamento de Estado advertiram directamente as empresas europeias sobre a ameaça de sanções por participarem no projecto. Para além do Irão e da Rússia, a preocupação na UE foi também causada pelo agravamento das tensões entre os EUA e a China. Bruxelas distanciou-se do ataque da cavalaria de Trump à China. Até agora, as restrições dos EUA contra “empresas militares comunistas chinesas”, telecomunicações e oficiais têm afectado minimamente a UE. No entanto, Washington pressionou agressivamente os seus aliados a expulsar as empresas tecnológicas chinesas. Não se pode excluir que no futuro, a política externa dos EUA em relação à China se torne um problema para Bruxelas.

Para a UE, todos estes acontecimentos tornaram-se um motivo para pensar na protecção contra sanções extraterritoriais dos EUA. O trabalho sobre elas foi realizado tanto por centros de peritos europeus como pela Comissão Europeia. Actualmente, podemos falar da formação de uma série de objectivos estratégicos, cuja realização deverá permitir à União Europeia aumentar a sua estabilidade em relação às sanções extraterritoriais dos Estados Unidos e de outros países.

Tais objectivos incluem o seguinte:

Reforçar o papel do euro nos acordos internacionais. Já hoje, o euro ocupa o segundo lugar após o dólar nos pagamentos e reservas internacionais. No entanto, ao contrário dos Estados Unidos, a UE não utiliza esta vantagem para fins políticos. Muitas transacções entre empresas europeias e os seus parceiros estrangeiros são realizadas em dólares americanos, o que as torna mais vulneráveis a subsequentes medidas coercivas. Cálculos em euros poderiam reduzir o risco de transacções com os parceiros contra os quais as sanções dos Estados Unidos ou de outros países estão em vigor, mas as sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas ou da própria UE não se aplicam. Neste caso, as autoridades da UE lançaram bases sérias e têm boas hipóteses de atingir o seu objectivo.

Criação de mecanismos de pagamento, que não podem ser travados a partir do exterior. INSTEX, um canal de pagamento para acordos humanitários com o Irão, é frequentemente citado como um exemplo de tais mecanismos. Em 2020, foram efectuadas as primeiras transacções. No entanto, o sucesso nesta área levanta questões. O INSTEX tem sido amplamente publicitada por políticos da UE, mas as expectativas iniciais eram demasiado elevadas. O mecanismo ainda não se justificou, mesmo para fins humanitários. O Departamento do Tesouro pode impor sanções de bloqueio contra o INSTEX em qualquer altura, se considerar que o mecanismo está a ser utilizado para contornar deliberadamente as restrições dos EUA contra o Irão. O mecanismo SHTA da Suíça, que é utilizado para acordos humanitários com o Irão, parece muito melhor. Foi criado em conjunto com os americanos e não deve ter quaisquer problemas de funcionalidade. No entanto, no que respeita aos mecanismos de pagamento na UE, não existem apenas transacções humanitárias. Há também a questão dos planos para criar mecanismos de transacção seguros no comércio de energia ou de matérias-primas; a questão das perspectivas que estes têm de implementação mantém-se.

Assegurar a possibilidade de acordos sem entraves e o acesso a outros serviços para indivíduos e entidades jurídicas na UE que tenham sido sujeitos a sanções extraterritoriais. Por outras palavras, estamos a falar do facto de um cidadão ou uma empresa da UE, que caiu, por exemplo, sob as sanções de bloqueio do Tesouro dos EUA, poder fazer pagamentos dentro da UE. Agora os bancos europeus vão simplesmente recusar tais transacções, e é provável que os tribunais estejam do lado deles. Na realidade, a União Europeia quer criar infra-estruturas que já foram criadas, por exemplo, na Rússia. Moscovo estava a considerar o estabelecimento de um sistema nacional de pagamentos mesmo antes das sanções em grande escala de 2014. Apesar do peso limitado da Rússia no sistema financeiro global, o país tem o seu próprio sistema de pagamentos soberano, que permite aos seus próprios cidadãos realizar transacções no seu próprio território.

Actualização do Estatuto de Bloqueio de 1996. Em particular, estamos a falar do desenvolvimento de um instrumento de compensação para as empresas que tenham sofrido sanções extraterritoriais.

Criação de bases de dados de informação no interesse das empresas europeias sob os riscos de sanções extraterritoriais, bem como a prestação de assistência jurídica sistemática às empresas que tenham sido sujeitas a restrições estrangeiras. Em particular, estamos a falar de assistência a empresas europeias e cidadãos dos países da UE na defesa dos seus interesses nos tribunais dos EUA, bem como na utilização de outros mecanismos legais, por exemplo, no âmbito da OMC.

Se necessário, equilibrar as medidas extraterritoriais dos Estados Unidos ou de outros países com contra-medidas restritivas.

No entanto, a agenda de sanções da UE está longe de se limitar à ameaça de sanções extraterritoriais. Em última análise, os Estados Unidos são um aliado e parceiro da UE, o que significa que as oportunidades de suavizar situações de crise continuam a ser amplas. A colaboração a nível da agência é também destacada como uma recomendação. Além disso, após a partida de Trump, os Estados Unidos podem estar mais atentos às preocupações da União Europeia.

A principal prioridade continua a ser o desenvolvimento da própria política de sanções da UE. Aqui surgem muitos problemas e tarefas. Os principais incluem a baixa velocidade da tomada de decisões e a fraca coordenação na implementação de sanções. A centralização dos mecanismos de sanções nas mãos de Bruxelas está a tornar-se uma tarefa importante para a Comissão Europeia.

Traduzido de RIAC

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram e VK