Cooperação australiano-indiana, um contrapeso à RBI

Por Dmitry Bokarev

Há muito tempo que existe uma luta pelo domínio económico e político na região do Indo-Pacífico (IP), na qual os actores mais poderosos e os principais concorrentes são a China e os Estados Unidos. Muitos estados regionais estão preocupados com a rápida expansão económica e política da China, bem como com o seu crescente poder militar. Esta preocupação fá-los desenvolver a cooperação com os Estados Unidos, e até há pouco tempo a América era considerada o líder das forças anti-chinesas no IP.

Mas o sucesso da República Popular da China (RPC) em envolver cada vez mais países no seu projecto económico e de transporte rodoviário e marítimo, bem como a volátil política externa dos EUA e a crise política interna que eclodiu naquele país nos últimos anos, mostraram aos Estados do IP que confiar apenas na América não é uma escolha fiável e que se não quiserem cair sob a influência chinesa, devem confiar mais na sua própria força. Entre os actores mais poderosos em matéria do IP, depois dos EUA e da China, encontram-se países como a Austrália e a Índia. Têm também grandes recursos económicos e vontade política, e no caso de um enfraquecimento da posição dos EUA, estes dois países, combinando as suas forças, poderiam competir com a China.

Deve recordar-se que o confronto no IP é sobretudo económico, e a expansão chinesa manifesta-se principalmente na promoção dos produtos chineses em todos os mercados possíveis, na ligação dos exportadores ao mercado chinês, bem como nos empréstimos e investimentos chineses, tornando os parceiros dependentes do mesmo.

Assim, a “luta contra a expansão chinesa” implica não tanto uma acção contra a China, mas sim a construção da economia e a escolha de parceiros que possam manter um nível de vida e desenvolvimento aceitável com uma dependência mínima do comércio e da cooperação económica com a China. Dado o poder económico desta e o seu papel na produção global, não é uma tarefa fácil. Mas pode estar dentro do poder da Índia e da Austrália se a florescente indústria e a enorme força de trabalho indianas forem combinadas com capital e tecnologia australiana.

Em julho de 2018, o governo australiano publicou um relatório intitulado “India’s Economic Strategy to 2035″ sobre a cooperação económica Austrália-Índia. O documento delineou formas de concretizar o enorme potencial de cooperação entre os dois países e de fazer da Índia um dos principais parceiros económicos da Austrália. De acordo com o relatório, a Índia deverá tornar-se um dos mercados mais importantes para as exportações australianas e o terceiro maior destino para o investimento australiano na Ásia, que deverá atingir 100 mil milhões de dólares até 2035. O documento identifica 10 sectores-chave onde a Austrália e a Índia podem ser particularmente bem sucedidos, e 10 estados indianos que são os mais interessantes para as empresas australianas. Entre os sectores-chave estão a educação, agricultura, infra-estruturas urbanas, saúde, energia, ciência e inovação, e outros.

Tudo isto corresponde perfeitamente aos interesses da Índia, porque atrair investimento estrangeiro nos sectores mais importantes da sua economia é quase a base da diplomacia deste país, que estabeleceu um objectivo de aumentar o seu PIB para 5 biliões de dólares ($5 trillion) até 2024 (no início de 2021 era cerca de 2,8 biliões de dólares).

O ano 2020 foi bastante frutuoso para o desenvolvimento da cooperação australiano-indiana.

Começou com um evento chamado Australia India Business Exchange (AIB-X), que se realizou em fevereiro. 119 empresas australianas lideradas pelo ministro australiano do Comércio, Turismo e Investimento Simon Birmingham visitaram a capital indiana de Nova Deli e cinco outras grandes cidades indianas, bem como Colombo, a capital da vizinha nação insular do Sri Lanka, em poucos dias para aprenderem sobre oportunidades de negócios em todas estas cidades. Foi uma das maiores missões comerciais à Índia nos últimos cinco anos.

Em junho de 2020, uma cimeira online entre os primeiros-ministros australianos e indianos elevou oficialmente as relações Austrália-Índia a uma Parceria Estratégica Global.

Em dezembro de 2020, o governo indiano publicou um relatório intitulado “A Estratégia Económica Australiana”, que foi uma resposta à “Estratégia Económica Indiana” da Austrália. O relatório abrange uma vasta gama de questões e tem em conta os desafios colocados pela pandemia da COVID-19, que afectou as economias tanto da Austrália como da Índia. Tal como o seu homólogo australiano, o documento indiano destaca áreas promissoras de cooperação e enfatiza o papel da informação e da sensibilização para atrair o maior número de investidores australianos para a Índia. A questão de facilitar o regime de vistos para a circulação mais livre de pessoal qualificado entre os dois países está a ser considerada.

Os interesses da Índia e da Austrália na região Indo-Pacífico coincidem: manutenção das suas posições dominantes e crescimento económico face à forte concorrência da China. O apoio político e militar aos seus interesses é prestado pelas instituições estatais de ambos os países. Por exemplo, a Austrália e a Índia, juntamente com os Estados Unidos e o Japão, participam no Diálogo Quadrilateral sobre Segurança (Quadrilateral Security Dialogue), cuja principal tarefa neste momento é conter a RPC. Os quatro países estão também a realizar conjuntamente os exercícios navais Malabar.

Contudo, os processos económicos desempenham um papel importante na luta pela região Indo-Pacífico, e se a Índia e a Austrália podem construir o seu próprio espaço económico, independente da China e dos Estados Unidos, depende largamente dos sectores privados de ambos os países. São as estruturas empresariais dos dois estados que podem ou não encontrar oportunidades de cooperação mutuamente benéficas. É sabido que os interesses do governo e das empresas nem sempre coincidem. A “Estratégia Económica Indiana” da Austrália e a “Estratégia Económica Australiana” da Índia complementam-se, e juntos parecem ser um plano ideal para a interacção entre os dois países. Mas como isso é exactamente viável, teremos de ver.Nesta fase, um sinal de sucesso deverá ser a conclusão de um acordo de comércio livre entre a Austrália e a Índia, que tem estado em discussão desde 2011.

Traduzido de New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube