A eterna luta entre história e mito que moldou a identidade italiana

Por Nicola Francavila

O ser humano na sua dimensão sócio-política e antropológica tende frequentemente a olhar para o passado como uma espécie de janela temporal, casa das virtudes ancestrais, e sede virtual do culto da glória e do mito. Quantas vezes ouvimos intelectuais de salão, políticos e jornalistas a exaltar o passado e a usá-lo como bitola para medir o nosso presente? O antigo é ilustrado e enquadrado em interpretações historiográficas, um revisionismo histórico por vezes tendencioso, em que o confronto eterno entre o presente e o passado, a actualidade e a história continua a colidir num oximoro exasperante.

O mito plasma a identidade das nações

O mito da história tem sido frequentemente utilizado na fé de uma visão patriótica, irredentista e nacionalista. O nascimento do patriotismo na tradição europeia tem a sua origem na mais nobre das fontes, a oral. Um exemplo foram os grandes poemas homéricos, que, ajudando a exaltar a identidade helénica, elevaram as tribos de Aqueus, que depois se moldaram numa organização para-estatal complexa. O resultado foi excepcional, o mito de Aquiles que acompanhou a civilização helénica durante séculos foi um dos elementos sobre os quais a cultura grega foi forjada. O próprio Alexandre o Grande, com um importante séquito de intelectuais e historiadores ao seu lado, entre os quais o mais conhecido era Calístenes, fez um hábil uso de propaganda para reunir o consenso necessário à realização da expedição asiática contra os persas do Grande Rei Dário III. Calístenes, em particular, como homem livre mas também como sujeito de Alexandre, teve de exaltar a figura do filho de Filipe nas primeiras fases das campanhas militares asiáticas. Ergo, teve de (desejando perturbar o grande sociólogo Habermas que o afirmou com um significado negativo) fazer uso público da história para fins políticos e pedagógicos, traindo assim a missão profissional de um historiador, nomeadamente observar, testemunhar acontecimentos, tomar memória e analisar objectivamente a disciplina.

No decurso do debate contemporâneo, a comparação entre o passado e o presente tem sido objecto de debate para muitos estudiosos. Muitas vezes os anos sessenta e setenta, os dos gloriosos anos trinta de Jean Fourastié, símbolo da reconstrução socio-económica do pós-guerra da Itália e da Alemanha Ocidental, são evocados com critério, afecto e nostalgia.

O mito republicano

No entanto, apesar do boom económico, do modelo Mattei, de 1968 e das conquistas civis sobre divórcio e aborto promovidas pelos radicais liderados por Pannella e uma jovem Emma Bonino, esse período escondeu ansiedades que iriam desestabilizar a estabilidade política do país. Desde 1969, o ano do início dos massacres do Estado com o ataque à Banca Nazionale dell’Agricoltura em Milão, na Piazza Fontana, os Belpaese viram-se apanhados entre o jugo da maçonaria perversa e a deriva do terrorismo político. No entanto, neste quadro sombrio, a ascensão da Cosa Nostra na cena nacional colocou a resistência da nação à prova, após uma série de actos criminosos contra estadistas e defensores do país. Teremos de esperar até aos anos 80 para assistir ao enfraquecimento do terrorismo de motivação política e à ascensão em Palermo de um conjunto de magistrados audazes e incorruptíveis liderados por Giovanni Falcone, Paolo Borsellino, Leonardo Guarnotta e Giuseppe Di Lello, que pela primeira vez declararam guerra à máfia com a conclusão do primeiro maxi-julgamento sobre a Cosa Nostra.

A unidade nacional

Idealmente viajar no tempo, precisamente no século XIX, o século XIX, olhando para ele da perspectiva italiana, tem sido romanticamente considerado o período da consagração das aspirações nacionais numa chave do Risorgimento. A libertação do domínio das grandes nações europeias coincidiu com o início de uma complicada adesão em massa à causa monárquica da família Sabóia, por parte de uma população que tinha de facto ganho crédito e credibilidade internacional no estrangeiro, com a remoção do estigma de que todo o italiano ser um povo dedicado ao ócio e à indolência, mas que ainda vivia dilacerado pelas dissensões internas da sua extraordinária heterogeneidade. O novo contexto tinha forjado a exaltação e a beleza dos ideais nacionalistas, na busca de uma reivindicação da identidade italiana perseguida durante séculos pelos maiores intelectuais da nossa literatura, de Dante a Maquiavel, passando por Guicciardini e Foscolo. Contudo, se o século XX foi o século do terror, do nazi-fascismo e do progresso, o século XIX foi a era das ideologias de massas, nem todas elas concebidas na busca de um bem universal. A elaboração de doutrinas racistas forjadas sobre a teoria do darwinismo social, antropologia eugénica e supremacia caucasiana foram readaptadas pelos nazis-fascismos de uma forma infame e cruel para a busca do consentimento das massas populares, tornando-se o próprio símbolo da ideologia dos seus estados totalitários e autoritários.

Certamente, o que aconteceu no século XIX foi a herança natural que nos foi dada pelo século XVIII, o século do Iluminismo, da exaltação da razão e da iluminação, cujos valores deveriam ter ajudado o homem a emancipar-se de uma condição subcultural, a estar consciente de fazer parte de um processo intelectual e produtivo que visava a constituição de um ideal de Estado liberal. As boas intenções do Iluminismo lançaram as bases culturais para a constituição das primeiras formas de rebelião coordenadas através de uma densa rede de sociedades secretas, a Maçonaria moderna, que se tornou protagonista do apoio económico aos reaccionários filiados nos camponeses e na classe burguesa. A classe burguesa, a esta altura, tinha-se tornado o ponteiro da balança numa França dividida entre o parasitismo da corte de Versalhes e as dificuldades de um país posto à prova financeiramente por décadas de campanhas militares esbanjadoras e improdutivas ordenadas pelo Rei Sol Luís XIV.

O impacto de Napoleão

A eclosão da Revolução Francesa e a declaração dos direitos do homem e do cidadão pareciam poder impulsionar uma nova fase para a humanidade, na qual o progresso cultural e científico poderia ser posto à disposição do bem-estar colectivo. Em Itália, a figura de um Napoleão emergente foi recebida com gratidão por Foscolo e pelos frequentadores de cafés literários em Milão e Nápoles. Afinal, Napoleão teve o mérito, através da difusão da revolução Jacobina na Europa, de criar a primeira forma embrionária de um exército nacional, a Armata d’Italia, que reuniu no seu seio participantes que se reviram nos valores da França revolucionária, que consagrou os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. A contribuição histórica de Napoleão para a criação de uma primeira forma de solidariedade nacional em Itália foi notável, uma vez que os aderentes à causa revolucionária, vindos das partes mais díspares da Itália, puderam trocar pontos de vista, impressões e pensamentos. Por último, mas não menos importante dentro das legiões Jacobinas, foi o processo de unificação linguística que envolveu os voluntários italianos.

A estrutura actual do Estado moderno foi largamente inspirada pela concepção que o líder francês tinha do Estado. De facto, a par da modernização da máquina burocrática e administrativa que Napoleão deixou à posteridade o Código Civil, que se tornou então uma das fontes de referência na lei dos futuros países democráticos ocidentais. Por detrás destas grandes inovações, porém, encontram-se as pretensões kafkianas de um personagem que traiu o seu Iluminismo e ideais revolucionários para abraçar o caminho do autoritarismo. A exasperação de se considerar a continuação natural da linhagem dos Césares, a dos fundadores dos impérios, levou-o a trair a razão da gloriosa esperança de conquistar o continente europeu. O seu epílogo é bem conhecido e o seu fim, solenemente cantado por Manzoni no famoso 5 Maggio, abalou o mundo contemporâneo de então. Também neste caso, o fim da experiência napoleónica, se por um lado tivesse o efeito cataclísmico de um regresso ao antigo regime com o Congresso de Viena em 1815 (cujos trabalhos só foram interrompidos durante os meses que precederam a batalha de Waterloo) e a Restauração, por outro lado, capturou as instâncias de uma classe intelectual e popular que olhou para o renascimento italiano com confiança e esperança. Entre os grandes que ocupam um lugar de destaque na memória histórica da Itália está Oberdan, que, inspirando-se nos valores de Mazzini, Garibaldi e nacionalistas, se tornou um mártir e defensor da italianidade. No decurso da história, o seu nome será utilizado para fins de propaganda por Benito Mussolini, por ocasião da sua visita a Trieste, a 18 de setembro de 1938, quando anunciou a promulgação das leis raciais que seriam legisladas apenas dois meses mais tarde (17 de novembro).

Na origem do mito: Humanismo e Renascença

Voltando mais atrás, a idealização do mito em Itália encontra o seu fundamento no Humanismo e na Renascença. Quantas vezes ouvimos políticos e especialistas na área do conhecimento humano mencionar o nosso passado mais glorioso, numa tentativa de propor um remake contemporâneo da beleza e do génio italiano no nosso país? Em tempos recentes, o conceito de Humanismo e Renascença tem sido explorado em várias ocasiões. Esse período cultural florescente que contrastou com a decadência política dos pequenos estados italianos entre o final dos séculos XV e XVI foi uma explosão de orgulho por parte de grandes mentes e intelectuais. A figura do intelectual no século XVI, de facto, perdeu qualquer função activa, ver o caso do grande Nicolau Maquiavel forçado a glorificar a imagem dos Medici na famosa obra “O Príncipe”, na esperança de reocupar um lugar de destaque em Florença para servir com paixão e dedicação política à causa italiana. O refinado intelectual da corte teve de exaltar os pequenos escudeiros locais, e neste sentido o valor puramente decorativo e celebrativo dos presentes dos príncipes e dos senhores ganha ênfase.

Por outro lado, o inestimável património cultural deixado pelos génios daquela época foi a apoteose de uma viagem iniciada primeiro por Dante com o seu conhecimento enciclopédico da Idade Média e depois terminada em desastre com o saque de Roma a 6 de maio de 1527. O ataque a Roma por ordem do Imperador Habsburgo dos Dois Mundos Carlos V foi uma clara demonstração da decadência política italiana. A tentativa do Estado da Igreja, da República Florentina, do Ducado de Milão e da República de Veneza de participar nas novas mudanças geopolíticas ao aderir à Liga de Cognac foi uma aposta. A Europa, após as descobertas geográficas, tinha-se redescoberto velha e obsoleta e a assimetria de pontos de vista entre os pequenos estados italianos e as grandes nações como a França, Espanha e o Império dos Habsburgos exacerbou esta diferença. O saque de Roma abalou o mundo culto e intelectual. O clamor que saudou o ataque bárbaro à Cidade Santa recordou os ataques sofridos por Roma na antiguidade. O primeiro em 387 a.C. às mãos da fúria gaulesa e o segundo em 410 d.C. quando os visigodos saquearam a antiga capital imperial. Nessa ocasião, o ataque sofrido por Roma mostrou a fragilidade e fraqueza de uma classe dominante romana (o Senado e os proprietários das terras) incapaz de compreender as mudanças da época. Por outro lado, o Ocidente romano-cristão já se encontrava numa fase de decadência em comparação com a florescente corte de Constantinopla, com a consequente mudança de marcha que levou o Oriente a progredir e a estabelecer-se na nova Europa. A Itália teria sofrido uma lenta e progressiva regressão cultural em comparação com Bizâncio e a civilização árabe, sendo esta última os verdadeiros protagonistas de uma nova civilização mesopotâmica, graças a grandes mentes como Avicena que teriam redescoberto o pensamento aristotélico preservando ao mesmo tempo a antiga cultura europeia.

Com a expressão petrarquiana de “Italia mia, benché ‘l parlar sia indarno” (A minha Itália, embora falar seja fútil) concluo a minha reflexão, recordando que nenhum período histórico, como Guicciardini afirmou, é repetível. Não existem regras universalmente válidas que façam do passado um modelo a ser replicado, mas sim “memórias”, que na época do grande historiador e escritor florentino eram sinónimos de advertências. É correcto extrair os ideais do mito e torná-los parte da nossa identidade como nação, sem, contudo, obscurecer a razão em detrimento de paixões irracionais e incontroláveis.

Traduzido de Osservatore de la Globalizzazione

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram e VK