Joe Biden vs. Henry Kissinger

Andrey Kortunov
Perito do RIAC

O discurso político exterior da América há muito que apresenta a Rússia e a China como as principais ameaças geopolíticas aos EUA. Muitas vezes, não é feita qualquer distinção entre estes estados, são listados em conjunto, seguidos pelo Irão, Coreia do Norte, Síria, Venezuela e outras fontes de preocupação e inquietação por Washington. O paradigma estratégico do “duplo dissuasor” é geralmente o mesmo para Moscovo e Pequim.

No entanto, políticos e peritos sofisticados tentam pintar um quadro mais complexo centrando-se tanto nas semelhanças como nas diferenças entre os dois adversários estratégicos da América. Há pouco tempo, o candidato presidencial Joe Biden disse também que a Rússia é actualmente a principal ameaça dos EUA, enquanto que a China é o principal concorrente da América.

Há aqui uma distinção subtil. Então, qual é exactamente a diferença entre um concorrente e um inimigo? Um concorrente geralmente joga pelas regras, mas também está disposto a quebrar essas regras se a ocasião surgir. Um inimigo, por outro lado, não conhece regras. Um concorrente tenta empurrá-lo para fora do mercado ou para assumir a sua posição geopolítica favorável. Um inimigo tenta destruir as suas instituições e valores. Pode tentar alcançar um acordo amigável com os primeiros através de concessões e compromissos mútuos. O segundo tem de ser combatido até ao fim (nas palavras de Máximo Gorki, “se um inimigo não se render, tem de ser aniquilado”). Ou seja, ser um concorrente é melhor do que ser um inimigo.

Joe Biden não foi original na sua tentativa de encaixar os dois adversários dos EUA em duas categorias diferentes. Os EUA têm tentado colocar Moscovo e Pequim um contra o outro desde meados do século XX. O engenhoso Henry Kissinger fez melhor quando, para contrariar a União Soviética, empreendeu uma ampla normalização das relações com a China comunista a um custo político significativo. As tácticas de Kissinger eram bastante lógicas: estabelecer uma parceria com o oponente mais fraco, a fim de isolar o mais forte. Há cinquenta anos atrás, estas tácticas revelaram-se geralmente bem sucedidas, ou pelo menos pareciam ser. Kissinger não podia prever que Pequim iria, entre outras coisas, usar o apoio da América para se transformar cerca de cinquenta anos mais tarde no principal concorrente de Washington.

Tal como Donald Trump viu repetidamente durante os quatro anos da sua presidência que “era impossível arrancar a Rússia da China”, Joe Biden verá repetidamente que a China não pode ser “arrancada” da Rússia. Moscovo precisa de Pequim independentemente do estado actual e das perspectivas das relações China-EUA. A liderança chinesa terá todo o gosto em agir como árbitro ou “equilibrista” entre Moscovo e Washington, uma vez que Pequim também estudou cuidadosamente o legado de Kissinger. No entanto, como Pequim segue os preceitos de Kissinger, nunca irá apoiar activamente os EUA no seu desejo de encurralar a Rússia.

Terceiro, por mais paradoxal que possa parecer, o papel mais modesto de Moscovo na economia, tecnologias e finanças globais significa que, em comparação com a China, é mais capaz de resistir à pressão americana. A Administração Trump esgotou praticamente os seus recursos potenciais para exercer pressão sobre a Rússia sem acarretar grandes riscos para a economia americana ou global ou para a estabilidade global e regional. Não importa como a Rússia é vista, a Rússia não é a Coreia do Norte, a Venezuela, ou mesmo o Irão. Levar as sanções anti-russas a um nível radicalmente novo e mais elevado significaria lançar desenvolvimentos com consequências imprevisíveis mas altamente perigosas para os EUA e o mundo inteiro. Tanto quanto podemos ver, tal aventureirismo não é típico de um homem experiente e cauteloso como Joe Biden. Além disso, as relações com a Rússia não são o principal problema que a sua administração irá enfrentar.

Consequentemente, a dura retórica da campanha anti-russa de Biden não deve ser tomada à letra. É pouco provável que vejamos um “anti-Kissinger” consistente e propositado, quer na Casa Branca, quer no Departamento de Estado. Num futuro próximo, é pouco provável que as relações Rússia-EUA melhorem radicalmente ou se deteriorem radicalmente. As possibilidades da sua deterioração parecem limitadas, enquanto as perspectivas de qualquer melhoria acentuada permanecem vagas.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube