A China está a trabalhar para expandir os seus laços com a América Latina

Vijay Prashad e John Ross discutem a parceria que está a ser reforçada entre países da América Latina e a China num momento de maior pressão devido à guerra comercial dos EUA contra a China.

Em meados de janeiro de 2020, 800 pessoas reuniram-se no Ministério da Economia do México para celebrar o “Dia da China” com um seminário sobre as relações entre chineses e mexicanos. A ministra da Economia Graciela Márquez Colín, doutorada em História Económica pela Universidade de Harvard, afirmou: “A China e o México têm de caminhar juntos, para construir uma relação mais forte e mais sólida”. Em julho de 2020, o acordo Estados Unidos-México-Canadá entrou em vigor. No evento de janeiro, Márquez Colín disse que, apesar deste acordo, o México deve “redobrar os seus esforços” para atrair investimentos de outros lugares, como a China.

Zhu Qingqiao, embaixador chinês no México, disse que o seu país concorda, e tem “muitos planos para investir no México”, incluindo os 600 milhões de dólares necessários para a refinaria de petróleo estatal Dos Bocas, em Tabasco; este dinheiro foi reunido pelo Banco Industrial e Comercial da China, o Banco da China, e outros parceiros internacionais.

A 4 de Junho de 2019, logo após a sua chegada à Cidade do México, o embaixador Zhu escreveu um artigo de opinião num importante jornal financeiro, El Financiero. “A guerra comercial”, escreveu ele, “não vai impedir o desenvolvimento da China. Confrontada com riscos e desafios, a China tem a confiança necessária para os enfrentar e transformá-los em oportunidades”. As economias EUA-China, observou, são altamente integradas, o que tornará a dissociação quase impossível. Entretanto, a China está preparada para aumentar a sua interacção com outros países, quer através de investimentos nesses países – como o México – quer acolhendo investimentos na China. A China, escreveu ele, não é o autor desta “guerra comercial”, e a China gostaria que este conflito terminasse.

Três Pilares da Abordagem da China

A China desenvolveu três pilares distintos para a América Latina: compras de bens latino-americanos, investimento chinês na América Latina, e solidariedade política chinesa com os principais governos latino-americanos.

Nas últimas duas décadas, a China emergiu como um dos mercados mais importantes para os países latino-americanos. Por exemplo, em 2019, 32% das exportações do Chile foram para a China, 29% do Peru, 28% do Brasil, 27% do Uruguai, e 10% da Argentina. A confiança mútua da China e da América Latina significou que apesar das mudanças de regime, nem a China nem os governos latino-americanos perturbaram esta relação. Quando Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil, ele flertou com Taiwan antes de assumir a presidência; mas uma vez no poder, os imperativos económicos tornaram impossível qualquer ruptura com Pequim. Há demasiadas coisas em jogo. Em novembro de 2019, Bolsonaro encontrou-se com o Presidente chinês Xi Jinping, que disse que a China e o Brasil irão aumentar o seu comércio “em pé de igualdade”. Tsung-Che Chang do Gabinete Económico e Cultural de Taipé no Brasil admitiu em setembro de 2020 que existem “muitas barreiras” para Bolsonaro romper com Pequim. O Brasil simplesmente não tem a latitude que a Austrália tem, uma vez que a Austrália – dependente do mercado chinês – não obstante, juntou-se aos EUA numa aliança militar contra a China conhecida como The Quad (juntamente com a Índia e o Japão).

Após a vitória eleitoral na Bolívia do Movimento para o Socialismo (MAS) de Luis Arce, o presidente chinês Xi enviou uma mensagem de felicitações. Nessa mensagem, Xi recordou a parceria estratégica acordada entre o governo chinês e o então presidente Evo Morales, em 2018. Essa parceria levou à escolha do Grupo Xinjiang TBEA da China para deter uma participação de 49% numa empresa conjunta planeada com a empresa estatal de lítio da Bolívia YLB. “Porquê a China? Há um mercado garantido na China para a produção de baterias”, disse Morales na cerimónia de assinatura. O novo presidente da Bolívia, Arce, foi o chefe da política económica de Morales; ele sinalizou que iria continuar a política de cooperação com a China, particularmente no contexto da pandemia. Não há qualquer indicação de que o investimento chinês será abrandado, certamente não para a Bolívia.

Finalmente, na frente política, a China indicou em vários fóruns diplomáticos que fornecerá um escudo, tanto quanto possível, para impedir operações de mudança de regime contra Cuba e Venezuela. A China e a Rússia pronunciaram-se abertamente contra as sanções unilaterais dos EUA contra a Venezuela, e o governo chinês está actualmente a realizar conversações com a Venezuela sobre um novo acordo de petróleo por empréstimo. A China mantém laços muito estreitos com Cuba; quando Fidel Castro morreu em 2016, o presidente Xi foi pessoalmente à embaixada cubana em Pequim para prestar a sua homenagem, fazendo três vénias (Fidel é o único líder estrangeiro que recebeu este tratamento).

Pressão dos EUA sobre a América Latina

Em setembro de 2019, a filha de Trump, Ivanka, visitou a Argentina. Ela viajou para Jujuy, que se encontra em direcção à fronteira com a Bolívia. Ivanka Trump chegou lá com John Sullivan (então secretário de Estado Adjunto) e outros membros do governo dos EUA (do Departamento de Defesa e da USAID). Encontrou-se em Purmamarca com o governador de Jujuy Gerardo Morales, e depois, juntamente com David Bohigian, da Corporação de Investimento Privado Ultramarino (OPIC) do governo dos EUA, anunciou 400 milhões de dólares para a construção de estradas ao longo do que é conhecido como a “rota do lítio” (Argentina, com a Bolívia e o Chile, formam o “triângulo do lítio”). Isto foi amplamente visto do outro lado da fronteira na Bolívia como uma declaração sobre a orientação do EAM para a China.

Bohigian fez a transição da OPIC para a sua actual encarnação como Corporação Financeira Internacional de Desenvolvimento (DFC). O projecto da DFC -América Crece- foi directamente concebido como um desafio ao investimento chinês na América Latina e nas Caraíbas. Em setembro de 2020, o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo esteve na Guiana, onde defendeu o investimento da ExxonMobil e de outras companhias petrolíferas no país sul-americano. Pompeo disse que a Guiana deveria fazer um acordo com as empresas petrolíferas americanas, que – afirmou – não são corruptas; “Vejam isso”, disse Pompeo em referência ao seu registo, “e depois vejam o que a China faz”, implicando que as empresas chinesas são corruptas e que um país como a Guiana deveria afastar-se da China.

A 26 de Abril de 2019, Kimberly Breier, a secretária adjunta do Gabinete para os Assuntos do Hemisfério Ocidental no Departamento de Estado dos EUA, fez um verdadeiro ataque ao investimento chinês na América Latina e nas Caraíbas. Os chineses, disse ela, vieram para o continente com “sacos de dinheiro e falsas promessas”; ela fez alegações maliciosas, mas não as apoiou com quaisquer exemplos factuais.

Todos estes ataques contra a China pouco avançam na América Latina. Por exemplo, um inquérito Pew de 2019 mostra que 50% dos mexicanos têm uma opinião favorável da China, enquanto apenas 36% têm uma opinião favorável dos Estados Unidos; mais mexicanos tiveram uma opinião favorável do presidente Xi do que do presidente Trump.

Em setembro de 2020, Luz María de la Mora, uma alta funcionária do Ministério da Economia do México, disse que a China é um “grande exemplo” para o México. A China, disse ela, é um “parceiro para impulsionar a nossa recuperação económica” e ajudar o México a “emergir da pandemia o mais depressa possível”. Sem dúvida que os Estados Unidos são e serão durante muito tempo o maior parceiro comercial do México; mas a nova afinidade entre a China e o México, particularmente devido ao crescimento económico previsto para o próximo ano na China, é também importante. Apesar da pressão de Washington, e não há qualquer indicação de uma grande mudança quando Joe Biden se tornar presidente em 2021, estes países latino-americanos como o México sabem que não podem romper com a China; isso seria imprudente.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol