Porque é que a China não intervém nos eventos ocorridos no Quirguistão?

Vladimir Danilov
New Eastern Outlook

Nos últimos anos, a maior parte dos países da Ásia Central tem vindo a passar por um período que envolve transformações sociais, económicas e políticas. A região precisa desesperadamente de pôr em prática transportes e projectos sociais, criar novos empregos, indústrias e instalações energéticas, e melhorar a qualidade da educação e dos cuidados de saúde, o que implica custos financeiros tremendos que os governos destes jovens países não estão dispostos a gastar devido à evidente falta de fundos. É por isso que a liderança dos países da Ásia Central foi objectivamente obrigada a recorrer a vários actores no exterior para obter ajuda na resolução dos seus problemas internos, e para obter investimentos externos.

Embora o âmbito do financiamento atribuído pelo Banco Mundial e as suas organizações seja medido em dezenas de milhões de dólares por ano para este ou aquele país em toda a região, este é geralmente direccionado para projectos muito restritos, e não pode influenciar a situação económica geral. Os volumes de empréstimos e assistência financeira concedidos pelo FMI são um pouco maiores, mas são mais frequentemente utilizados para ajudar a equilibrar o orçamento de um país, e também não podem ser algo que estimule o crescimento.

Nesta situação, o país deposita a maior parte das suas esperanças nos demais países com os quais tem parcerias. É prestada uma assistência bastante significativa através da União Económica Eurasiática, mas a quantidade total de recursos que esta organização tem à sua disposição é ainda relativamente pequena.

Nestas condições, de entre os principais actores externos presentes nesta região – Rússia, China e Estados Unidos – o papel desempenhado pela República Popular da China (RPC) nos últimos anos assumiu a maior proeminência desde que, ao contrário dos Estados Unidos, a estratégia da China na Ásia Central não mudou durante várias décadas, e baseia-se em três regras principais: não interferir nos assuntos internos dos países, ou nas suas relações mútuas; concentrar-se na cooperação económica; esforçar-se por reforçar a sua reputação internacional. A política que a China defende na Ásia Central adapta-se completamente à liderança actual nos países daquela região.

Como resultado, a China tem reforçado a sua posição na região como o seu maior e mais importante investidor nos últimos anos, especialmente porque a Ásia Central é de particular importância para a China. Os interesses de Pequim são sustentados por três considerações. Primeiro, a Ásia Central é uma espécie de zona tampão entre o Afeganistão e a Região Autónoma Uigur de Xinjiang, o que representa um perigo para os países adjacentes. Em segundo lugar, existem os recursos naturais na região. Terceiro, a região está geograficamente localizada no centro da área continental eurasiática, e poderia facilmente tornar-se o seu centro de transporte terrestre. Nesta situação, a China, com as suas reservas financeiras substanciais, e a sua iniciativa One Belt, One Road Initiative, avaliada em centenas de milhares de milhões de dólares, continua a ser a maior e mais atractiva fonte de financiamento para o desenvolvimento das economias nacionais da região.

De todos os países da Ásia Central, a China prestou recentemente uma atenção constante ao Quirguistão, e expandiu significativamente os seus laços económicos com este país, uma vez que este país e a área em que se encontra desempenham um papel fundamental na implementação da iniciativa One Belt, One Road da China. A atenção que Pequim está expressamente a prestar ao Quirguistão deriva também da sua proximidade geográfica com a perturbada Região Autónoma de Xinjiang e da presença comercial proeminente que a RPC tem nesta antiga república soviética: actualmente, tem mais de 400 organizações chinesas, e outras 1.890 joint-ventures quirguizes-chinesas. Pequim é o maior investidor e parceiro comercial de Bishkek, com o comércio bilateral a atingir 6,35 mil milhões de dólares em 2019, de acordo com as estatísticas oficiais chinesas.

No entanto, numa altura em que Pequim está a expandir a sua presença económica na Ásia Central através da implementação da iniciativa One Belt, One Road, a China está também a deparar-se com uma crescente resistência aos seus projectos económicos no Quirguistão. Este país está agora particularmente activo na realização de protestos contra as actividades económicas chinesas, principalmente nas aldeias e cidades próximas de onde os chineses estão envolvidos na extracção de recursos minerais. Por exemplo, um público enfurecido na aldeia de Maidan, na província de Batken, fechou um trabalhador chinês de uma empresa de ouro num contentor de carga metálico há um ano, acusando trabalhadores chineses na empresa de trabalho “ilegal” de prospecção de ouro. Em abril de 2018, aldeões da província de Jalal-Abad, temendo pela situação ambiental na sua área, atacaram a joint-venture quirguize-chinesa Makmal GL Developing, e incendiaram-na. No início de 2019, eclodiram tumultos em Bishkek, causados por rumores de que a etnia quirguize na China estava a ser maltratada: de acordo com declarações generalizadas feitas pelos manifestantes, na Região Autónoma Xinjiang Uygur da China os seus compatriotas estão a ser enviados para “campos de reeducação” com condições horríveis.

De acordo com analistas da Stratfor (EUA), as manifestações anti-chinesas continuarão a crescer à medida que a China continuar a expandir a sua presença económica no Quirguistão, o que, por sua vez, poderá afectar negativamente os planos de Pequim para investir no país, e implementar projectos de infra-estruturas.

As empresas chinesas sofreram um certo grau de danos durante a agitação quirguize que começou em outubro: desordeiros invadiram e saquearam minas de ouro, carvão e cobre, tomando a gestão como refém. Agora, na alvorada de outra revolução, Bishkek deve a Pequim mais de 4,7 mil milhões de dólares, o que representa cerca de 26% do seu orçamento nacional. No entanto, embora Moscovo já tenha abdicado de mais de 500 mil milhões de dólares devidos por Bishkek desde 2013, a China não é de todo a Rússia, e não pretende perdoar quaisquer empréstimos. Por cada dólar emprestado, os chineses podem aceitar recursos naturais a baixo custo, uma vez que o país não tem mais nada a oferecer como pagamento. Actualmente, os principais interesses detidos pela RPC no Quirguistão estão relacionados com os recursos energéticos e minerais: em 2002, a China e o Quirguistão assinaram um acordo de cooperação para desenvolver campos petrolíferos localizados no sul do país; em 2014, Pequim recebeu o direito de participar no desenvolvimento dos campos Mailuuu Suu 4, East Izbaskent, Changyrtash, e Chyyrchyk; Em 2016, os chineses tinham planos para o rio Naryn, que tem um grande potencial em termos de construção de uma cascata de centrais hidroeléctricas (enquanto que 100% da electricidade gerada por esta cascata de centrais eléctricas iria para a fronteiriça Região Autónoma Uigur de Xinjiang chinesa, que regista uma contínua escassez de energia).

A “situação revolucionária” que surgiu no contexto das eleições parlamentares de 4 de outubro no Quirguistão também colocou os bens da China na república, já em risco devido a sentimentos anti-chineses, numa posição vulnerável. Assim, apesar da sua crescente presença económica na região, e especialmente no Quirguistão (as instituições financeiras chinesas representam mais de 43% dos 4,7 mil milhões de dólares da dívida externa do país), o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês limitou-se a exprimir simplesmente publicamente a sua esperança de que a situação no país estabilize. O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês Hua Chunying salientou que tal se deve não só à proximidade geográfica do Quirguistão à perturbada Região Autónoma Uigur de Xinjiang, mas também ao facto de Pequim ser o maior investidor e parceiro comercial que tem Bishkek. Neste contexto, a China, que é contígua ao Quirguistão, salientou que não pode deixar de prestar atenção à forma como a sua economia está a sofrer mais um teste de força após outro golpe e facções de clã em guerra. A embaixada chinesa em Bishkek também não ultrapassou os limites de apenas avisar os cidadãos sobre o perigo, e abriu uma linha directa especial.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube