Bipolaridade selectiva? Da coligação de guerra à coligação de sanções

Ivan Timofeev
Perito do RIAC

A divisão EUA-China está a evoluir para uma rivalidade a longo prazo. É pouco provável que seja afectada pelas eleições americanas ou pela atenuação de certos irritantes actuais como a pandemia da Covid-19. Isto significa que a era de trinta anos de amplas manobras nas relações internacionais, quando era possível interagir simultaneamente com diferentes centros de poder, chegou efectivamente ao fim. Um confronto entre estes grandes actores obrigará outros a escolher entre os EUA e a China. Em muitas áreas, uma parceria paralela com ambas as potências será simplesmente impossível. O senso comum dita que tal lógica levará, mais cedo ou mais tarde, à formação de um novo sistema bipolar.

Um dos poucos obstáculos à nova bipolaridade é a presença de outros centros de poder. Falta-lhes a força e a capacidade de desempenhar o papel do segundo pólo. Contudo, podem dar-se ao luxo de, pelo menos temporariamente, permanecer acima da batalha dos dois gigantes e distanciar-se dela. Do ponto de vista da diplomacia, esta é a estratégia ideal, uma vez que é esta estratégia que preserva a sua liberdade de manobra. A perda de espaço de manobra conduz também à perda da diplomacia. Mas, por outro lado, para os dois candidatos à liderança no mundo bipolar – os Estados Unidos e a China – é de importância vital atrair os grandes jogadores para o seu lado, e amarrá-los ao seu pólo para a subsequente batalha pela hegemonia.

Assim, a tarefa mais importante para as diplomacias de Washington e Pequim será a luta pelos grandes jogadores. E aqui é importante criar uma coligação eficaz contra o rival, ou, pelo menos, impedir a formação de uma tal coligação do lado oposto.

Ao entrar na nova Guerra Fria com a China, os Estados Unidos não prepararam antecipadamente uma coligação eficaz com os principais actores. A guerra foi declarada, mas não existe uma coligação ampla. Sim, os Estados Unidos aliaram-se com o Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia. É provável que se mantenham em estreita aliança com os Estados Unidos e numa base anti-chinesa, embora as próprias alianças tenham sido criadas no meio de realidades diferentes. No entanto, a lista de membros da coligação parece ter-se esgotado.

A Índia é potencialmente o membro mais valioso da coligação anti-chinesa. Deli tem velhas divergências com Pequim, que se tornaram recentemente mais agudas. Mas atrair a Índia para uma coligação anti-chinesa dura, liderada pelos Estados Unidos, será difícil. A história da Índia independente tem as suas próprias tradições de política externa, que não incluem a subordinação a outro país. Há também problemas nas relações com outros grandes países, que têm relações difíceis com a China. Por exemplo, a parceria dos EUA com o Vietname e a Indonésia tornou-se mais profunda, mas estes países estão longe de ser uma coligação contra a China.

A Rússia, por razões óbvias, não pode fazer parte de uma tal coligação. Moscovo para Washington é um rival, situando-se algures entre a China e o Irão. Uma parceria com Moscovo aumentaria acentuadamente o ponto de vista dos EUA no seu confronto com a RPC. Mas a diplomacia americana perdeu tempo e optou por mudar para outras questões (direitos humanos, Ucrânia, interferência, etc.). Sem dúvida, todos estes temas são importantes e mesmo fundamentais, mas se partirmos do facto de que a política global das próximas décadas será determinada pelo confronto com a RPC, então eles tornar-se-ão secundários. Washington não podia ou não queria levar tal perspectiva a sério.

A abordagem dos EUA a Moscovo é sublinhada por uma percepção “colonial” da Rússia, que considera como um país “em declínio”; a exigência de que este país mude e se torne um país “normal” também tem desempenhado um papel. A propósito, a mesma atitude acabou por estropiar a relação entre os Estados Unidos e Pequim. Embora a China seja vista como um centro de poder em crescimento, também não quer tornar-se um país “normal”, de acordo com a compreensão da palavra por Washington. Contra este pano de fundo, as relações russo-chinesas ganharam potencial. Isto não é uma aliança militar. No entanto, a Rússia e a China adquiriram uma reserva significativa de confiança. A crescente pressão dos EUA está a aproximar as duas potências.

Sob estas condições, a União Europeia está a tornar-se importante para a América. Quase todos os países da UE são aliados militares dos EUA na NATO. No entanto, a Aliança do Atlântico Norte não está sequer remotamente concentrada em conter a China. Esteve indirectamente envolvida na luta contra o terrorismo internacional e espalhou as suas asas contra o pano de fundo de uma Rússia “hostil”. A implantação de aliados europeus contra a China não é uma tarefa trivial. Além disso, a NATO é quase inapta para tal solução, e a aliança com os europeus terá de ser reformatada em muitos aspectos.

A motivação da UE para se envolver no conflito entre os EUA e a China não é óbvia. O meu colega Timofey Bordachev analisou estas perspectivas de um ponto de vista realista. Se olharmos para a questão deste ângulo, verificamos que a UE não está interessada em competir com a RPC. Não tem um interesse significativo em fazê-lo. A China não ameaça a segurança europeia, tal como a própria UE não tem interesses militares-políticos na Ásia (incluindo a ausência quase completa de instrumentos de poder nas mãos da UE fora da NATO). Além disso, os estados da UE têm uma estrutura democrática, o que significa, segundo Timofey Bordachev, que um desvio significativo dos interesses reais será corrigido durante o decurso dos processos eleitorais e outros processos democráticos.

Esta é uma visão perfeitamente racional. Contudo, na realidade, a situação pode ser diferente. Num artigo recente, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, definiu a política da UE como a “Doutrina Sinatra”, referindo-se à famosa canção My Way. De acordo com Borrell, a UE deveria ter a sua própria abordagem equilibrada à China. A UE precisa de cooperar com ela numa agenda global (clima, conflitos regionais, tarefas de desenvolvimento, e assim por diante). No entanto, em questões específicas, a UE deve defender a sua soberania. Antes de mais, estamos a falar de tecnologias e cadeias de valor. Sobre a China, as opiniões de Borrell são quase idênticas às da narrativa americana. A China é um país assertivo, expansionista e autoritário. A UE critica as suas violações dos direitos humanos e a actividade político-militar de Pequim no Mar do Sul da China. É expressa uma atitude ainda mais crítica em relação à ameaça de expansão económica em relação à própria UE.

O apoio ideológico da União Europeia à linha norte-americana contra a RPC será uma importante vitória para Washington. Os valores, ideologia e identidade são de grande importância para as relações internacionais. Além disso, a narrativa da UE contém não só valores, mas também interesses bastante específicos no campo da economia e da segurança, que são semelhantes aos pontos de vista americanos.

A questão principal é: como será expresso exactamente o apoio dos Estados Unidos da União Europeia? Muito provavelmente, falaremos de uma pressão mais consolidada sobre Pequim no domínio das telecomunicações e de outros sectores sensíveis de alta tecnologia. A UE pode utilizar a experiência do Reino Unido, que já deu os primeiros passos sérios no sentido de restrições às telecomunicações chinesas.

No final, os Estados Unidos podem construir coligações mais flexíveis contra a China, em comparação com os blocos políticos-militares habituais. Estas basear-se-ão em acções consolidadas que conduzam a restrições sectoriais e tecnológicas específicas. Ou seja, deverá ser uma coligação de sanções e não uma coligação de guerra. Para muitos, esta pode ser uma fórmula conveniente. Não exigirá uma rigorosa subordinação a Washington, mas constituirá uma oportunidade para irritar a China, sem criar riscos imediatos de confrontação militar.

A bipolaridade será “selectiva”, ou seja, concentrada em áreas críticas seleccionadas. No entanto, a história mostra que a transição da rivalidade económica para a militar pode revelar-se inesperadamente rápida, e uma rivalidade aplicada selectivamente pode tornar-se subitamente uma rivalidade total.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol