A Nigéria corre rumo a um cenário de pesadelo

O súbito surto de violência multifacetada na maior cidade da Nigéria está a empurrar o país mais populoso de África para o cenário de pesadelo de uma verdadeira desestabilização que poderá ter tremendas consequências humanitárias e geopolíticas se não for travada antes que a situação se torne ainda mais descontrolada.

Desestabilização Anti-SARS

A atenção do mundo virou-se abruptamente para o país mais populoso de África na quarta-feira, após o súbito surto de violência multifacetada na maior cidade da Nigéria, Lagos. A situação ainda é extremamente fluida e não existe qualquer consenso sobre o que aconteceu exactamente, excepto que os serviços de segurança e os manifestantes entraram em conflito sobre a questão litigiosa da Brigada Especial contra o Roubo (SARS) que foi anteriormente acusada pela Amnistia Internacional de cometer violações muito graves dos direitos humanos. Alguns relatos afirmam que os serviços de segurança abriram fogo sobre manifestantes pacíficos, outros dizem que os próprios manifestantes começaram a atacar os serviços de segurança sem provocação e foram portanto os primeiros a ultrapassar o limiar da escalada, enquanto outra interpretação é que os provocadores (possivelmente enviados pelo governo) se infiltraram no protesto e provocaram o segundo cenário mencionado. Pelo menos uma dúzia de pessoas foram mortas de acordo com a estimativa da Amnistia Internacional e Lagos foi colocada num recolher obrigatório de 24 horas.

Uma quantidade desordenada de atenção internacional

Os observadores ocasionais podem ficar surpreendidos com a atenção que este evento tem gerado uma vez que actos de violência muito piores acontecem rotineiramente noutras partes de África, como o Burkina Faso e no Congo, mas raramente se tornam notícia principal. A situação da Nigéria é diferente, uma vez que é o país mais populoso e a maior economia de África, o que significa que simplesmente não pode ser ignorada. Além disso, a diáspora nigeriana é muito patriótica e apaixonada pela sua terra natal, o que ajuda muito a aumentar a sensibilização para os acontecimentos que ali ocorrem. Tão rapidamente esta violência se tornou viral que muitas celebridades americanas logo se juntaram às redes sociais para oferecer o seu apoio aos manifestantes anti-SARS, o que pode ter sido sinceramente expresso ou apenas um cálculo de negócios astucioso. Independentemente da sua motivação, ajudaram a garantir que todos no mundo falavam da Nigéria, o que também coincidiu com as condenações do candidato presidencial democrata norte-americano Biden e do ex-secretário de Estado Clinton ao governo.

Pontos de vista contrastantes sobre a reforma dos serviços de segurança

Antes de discutir os cenários sombrios que se podem desenrolar num futuro próximo, é importante para o leitor obter uma melhor compreensão de como tudo chegou a este ponto. A sociedade cosmopolita da Nigéria tem muitas frustrações reprimidas, tanto gerais, como questões económicas e anti-corrupção, mas também queixas mais particulares relacionadas com os interesses dos seus muitos e diferentes grupos de identidade (simplificadas por uma questão de brevidade ao longo dos eixos regionais norte-sul e religioso muçulmano-cristão, bem como étnico). O Estado, que historicamente tem estado sob a forte influência dos militares, está a sentir esta pressão e pode também ter as suas próprias preocupações legítimas relacionadas com o seu receio de que desestabilizações repentinas possam sair de controlo e “balcanizar” o país de acordo com os cenários da Guerra Híbrida que o autor identificou no seu extenso estudo de risco estratégico de 2017. O actual movimento de diversidade de identidade anti-SARS está a agitar a reforma estrutural dos serviços de segurança, enquanto que o seu alvo é cauteloso em mudar demasiado depressa por medo de perder as suas capacidades e controlo.

Reformas superficiais provocaram mais protestos

A reforma superficial do estado de desmantelamento da SRAS e a promessa de a substituir por uma nova unidade policial treinada pela Cruz Vermelha não satisfez os manifestantes que queriam que os seus antigos membros fossem responsabilizados em vez de simplesmente transferidos para outras unidades. Também não confiam que uma nova formação seja suficiente para assegurar que os alegados abusos não se repitam e, por conseguinte, exigem mais supervisão, transparência e avaliação psicológica dos agentes da nova unidade. Do ponto de vista dos serviços de segurança, isto poderia entravar a sua capacidade de impedir ameaças legítimas, ainda que constituísse uma forte salvaguarda contra os seus representantes cometerem mais abusos humanitários contra a população. Após o surto de violência que resultou de circunstâncias pouco claras, ambos os lados aparentemente enlouqueceram atacando o outro, com os amotinados a incendiar muitos edifícios, incluindo o Supremo Tribunal de Lagos, enquanto os serviços de segurança perseguiam literalmente alguns deles nas ruas e poderiam até ter morto pessoas inocentes.

Cenários de escalada

Vários cenários podem desenvolver-se para além do melhor cenário de desescalada. O primeiro é que os serviços de segurança (indefinidamente?) impõem um duro regime de lei marcial, usando esse tempo para reunir suspeitos e possivelmente até aterrorizar a população, visando também pessoas inocentes com a intenção (contraproducente) de as forçar à submissão e dissuadir qualquer repetição dos tumultos. A segunda é que os confrontos continuam, embora com frequência e intensidade diferentes, independentemente de o regime semelhante ao da lei marcial ser prolongado. Este e o terceiro cenário de agitação mais ampla que se espalha pelo país poderia ser explorado por grupos mais específicos da identidade (étnicos, regionais, religiosos, etc.), incluindo os que utilizam meios terroristas. Todos os quatro cenários podem radicalizar as pessoas ao ponto de serem susceptíveis às mensagens desses grupos, levar a uma pressão internacional significativa através de sanções e outros meios, e/ou resultar em ajustes de regime (reforma), mudança de regime (auto-explicativa), ou um reinício do regime (mudança constitucional radical).

Várias observações até agora

Independentemente do que se verificar, podem ser feitas algumas observações sobre o que aconteceu até agora. A primeira é que o movimento anti-corrupção provou até agora a sua capacidade de unir muitos dos diversos povos da Nigéria sob a bandeira de uma única causa, o que é significativo. Em segundo lugar, os seus protestos foram facilitados pela proliferação dos telemóveis e dos meios das redes sociais, que está em plena expansão na Nigéria. Em terceiro lugar, embora estejam a ser utilizados elementos da tecnologia das revoluções coloridas, não é preto no branco no sentido de que não se deva assumir automaticamente que isto significa que uma mão estrangeira está por detrás dos acontecimentos ou que a própria causa é ilegítima. O quarto ponto é que o movimento de protesto tem sido capaz de trazer tantas pessoas para as ruas simplesmente porque elas têm a oportunidade de protestar, uma vez que muitas não têm empregos formais, se é que têm algum, falando assim das consequências políticas dos desafios económicos da Nigéria que poderiam ser exacerbados por sanções. E quinto, os ciclos de agitação auto-sustentada não são difíceis de provocar em contextos tensos, independentemente de qual dos lados é o culpado.

O pior dos cenários

O pior cenário que ninguém quer ver acontecer é que a situação anti-SARS se agrave ao ponto de uma crise nacional que corre o risco de desencadear o colapso do maior país de África, agravando as suas muitas linhas de falha ao ponto de uma guerra civil multifacetada. Até agora, as hipóteses de que isso aconteça são baixas, mas ainda assim não devem ser descartadas. Da perspectiva ocidental, um cenário ligeiramente menos terrível seria que o Estado não cedesse às exigências dos manifestantes, apesar do que poderia ser uma forte pressão de sanções no futuro próximo. Nestas circunstâncias, e especialmente se a violência continuar a grassar, a população poderá ficar mais desesperada e radicalizada, enquanto que as autoridades poderão aproximar-se mais da China em resposta à rejeição dos seus antigos parceiros ocidentais. Nesse caso, mesmo que um regime de ajustes/alterações/reinícios acabe por arrancar, o principal rival geopolítico do Ocidente poderá ser capaz de aprofundar a sua influência dentro do país ao ponto de assegurar que tais resultados não ponham em perigo o seu novo enraizamento de interesses.

Pensamentos finais

É difícil dizer o que vai acontecer a seguir na Nigéria uma vez que nenhum observador tem informação suficiente sobre o movimento de protesto, planos de pressão internacional, e os cálculos dos serviços de segurança para fazer previsões muito precisas sobre esta situação dinâmica. No entanto, ainda é possível analisar as origens, o desenvolvimento recente, e os contornos mais amplos desta situação, a fim de se obter uma melhor compreensão sobre tudo como um todo, tal como o autor procurou fazer. Isto deverá, espera-se, ajudar os observadores a acompanhar as tendências relevantes relacionadas com estas crises possivelmente emergentes que poderão facilitar a partir daí a criação de produtos analíticos mais afinados para melhor prever a sua possível evolução. Embora a situação pareça ser inteiramente doméstica neste momento, o aumento da atenção internacional por parte de figuras políticas influentes sugere que os actores estrangeiros poderão em breve tentar influenciar indirectamente o curso dos acontecimentos através de sanções ou ainda mais directamente apoiando certas forças anti-governamentais, o que poderá tornar tudo muito pior.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube