Washington: guerra contra o mundo sem cobertura nem discussão

Quase todos ouvimos o comentário atribuído ao antigo conselheiro de Clinton, Rahm Emanuel, de que nunca se deve desperdiçar uma boa crise. A implicação do comentário é que se houver uma grande crise a decorrer na capa, ela permite fazer todo o tipo de coisas sob o radar que de outra forma seriam inaceitáveis. Este aforismo é particularmente verdadeiro no contexto actual, uma vez que há múltiplas crises a ocorrer simultaneamente, todas elas sendo exploradas em vários graus pelas partes interessadas.

Uma das histórias mais interessantes cuidadosamente escondidas pelo fumo gerado pela agitação civil, praga e escândalos pessoais é a marcha contínua do militarismo americano. A história é particularmente convincente, uma vez que nenhum dos principais candidatos partidários se está a dar ao trabalho de falar sobre ela e não há sequer uma discussão sobre política externa planeada para o debate presidencial final. Na semana passada, o excêntrico multimilionário Elon Musk anunciou que ele e o Pentágono estão a desenvolver um novo míssil de 7.500 m.p.h. capaz de lançar 80 toneladas de carga militar em quase qualquer parte do mundo em menos de uma hora. Seria sem dúvida uma grande capacidade avançada para os planeadores militares que prevêem uma intervenção continuada dos EUA em todo o mundo num futuro iminente.

Entretanto, o acordo sobre um novo tratado START que limitaria a proliferação de alguns sistemas de armas hipersónicos está paralisado porque a Casa Branca quer incluir a China em qualquer acordo. Pequim não está interessado, particularmente porque Donald Trump afirma também que Pequim pagará os pacotes de estímulo multi-bilionário que os Estados Unidos acabarão por exigir para combater o coronavírus”… porque isto não foi causado pelos nossos trabalhadores e pelo nosso povo, isto foi causado pela China e a China irá pagar-nos de uma forma ou de outra. Vamos tirá-lo à China. Digo-vos agora, está a sair da China. Foram eles que causaram este problema”.

De facto, a China e a Rússia continuam a ser os papões trotados regularmente para assustar os americanos. Na semana passada, o secretário de Estado, Mike Pompeo, emitiu uma declaração avisando que “alguns governos estrangeiros, tais como os da República Popular da China (RPC) e da Federação Russa, procuram exercer influência sobre a política externa dos EUA através de lobbyistas, peritos externos, e grupos de reflexão”. A razão pela qual a declaração foi emitida nesta altura, tão próxima das eleições, não é clara, embora seja possivelmente uma tentativa de alinhar possíveis bodes expiatórios se o processo eleitoral não produzir resultados aceitáveis para quem quer que perca. De facto, a Rússia e a China dificilmente encontram um lugar na lista dos que financiam os lobbyistas e os grupos de reflexão.

Também é interessante outra história sobre como Washington escolheu interagir com o mundo, uma que envolve tanto o inimigo du jour Irão como a Venezuela. Os leitores recordarão sem dúvida como os Estados Unidos apreenderam em águas internacionais quatro petroleiros gregos, mas de bandeira liberiana, carregados com gasolina que se dirigiam para a Venezuela. Os petroleiros transportavam mais de um milhão de galões de combustível para a Venezuela, um país que se encontra no seu triste estado devido a sanções e outras “pressões máximas” impostas por Washington, que também sancionou a própria indústria petrolífera venezuelana. O combustível foi apreendido com base em sanções impostas unilateralmente pelos EUA à venda ou exportação iranianas dos seus próprios produtos petrolíferos, uma medida destinada a estrangular a economia iraniana e a provocar uma revolta do povo iraniano. Como as sanções impostas por Washington não são apoiadas pelas Nações Unidas ou por qualquer outra autoridade legal, a apreensão é pouco mais do que o exercício de um pouco de força maior que costumava ser chamado de pirataria.

Embora a política externa e de segurança nacional não tenha sido realmente discutida nem na campanha de Biden nem na Trump, existe um consenso geral em ambas as partes de que a Venezuela é um regime desleal que deve ser substituído enquanto o Irão é uma ameaça real e tangível devido ao seu alegado mau comportamento no Médio Oriente. Tem sido apelidado pelo secretário de Estado Mike Pompeo de “o principal patrocinador estatal do terrorismo no mundo”. Vozes mais sãs observaram que nem a Venezuela nem o Irão ameaçam os Estados Unidos de forma alguma e que os EUA e Israel continuam a matar muito mais civis do que o Irão alguma vez matou, mas que foram afogados pelos líderes dos meios de comunicação social que repetem constantemente a narrativa estabelecida.

Bem, o alegado combustível iraniano chegou a Nova Jersey e uma batalha legal pela sua custódia já começou. O combustível tinha sido retirado dos petroleiros gregos e transferido para outros petroleiros para ser retirado para os Estados Unidos, mas a complicação é que a administração Trump tem agora de provar o seu pedido de confiscação antes que o petróleo possa ser vendido. A justificação dos EUA para a apreensão das cargas é a alegação de que o combustível era um bem do Corpo de Guarda Revolucionário Islâmico (IRGC) do Irão, que os departamentos do Tesouro, Justiça e Estado designaram convenientemente como organização terrorista estrangeira. Mas essa alegação é contestada pelos proprietários das cargas, que afirmam nada ter a ver com o IRGC. Incluem outros exportadores e expedidores de energia no Médio Oriente, nomeadamente Mobin International Limited, Oman Fuel Trading Ltd e Sohar Fuel Trading LLC FZ. Apresentaram uma moção de despedimento e procuram a devolução do combustível mais uma indemnização adicional pelas perdas que sofreram. É preciso esperar que eles ganhem, pois são os Estados Unidos que estão errados neste caso.

Toda a saga dos petroleiros e do combustível é sintomática da guerra económica não declarada que os Estados Unidos preferem agora utilizar quando lidam com adversários. E há provas consideráveis que sugerem que Washington está a tentar levar o Irão a responder com força, fornecendo ao governo dos EUA uma razão plausível para responder à altura. O Presidente Trump ameaçou directamente o Irão numa declaração pública no dia 9 de outubro, na qual prometeu aos iranianos que ” Se vocês fizerem merda connosco, se vocês nos fizerem algo de mal, nós vamos fazer-vos coisas que nunca foram feitas antes”.

Assim, a agressão de Washington dirigida contra grande parte do mundo continua com uma eleição nacional a menos de duas semanas de distância, mas ninguém fala disso. Isso pareceria estranho por si só, mas a parte triste é que é um conluio deliberado por parte do governo e dos meios de comunicação para garantir que o público votante permaneça inconsciente da medida em que os Estados Unidos se tornaram na realidade um pária, um fanfarrão a tempo inteiro nas suas relações externas.

Traduzido de Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube